Menu fechado
O papel do ProUni, via enem

O papel do ProUni

O PAPEL DO PROUNI – PROUNI – PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS

Informações e dicas exclusivas sobre o ProUni!

 

Não perca essas dicas exclusivas!

Educação e desigualdade: o papel do PROUNI

As sociedades democráticas, apoiadas na concepção soberana do indivíduo, têm na educação seu mais importante instrumento de afirmação de valores e princípios. A partir das premissas da igualdade perante a lei e da irredutibilidade do indivíduo, as sociedades democráticas apostam no valor equitativo da educação: cada um de acordo com seus méritos terá acesso ao conjunto de direitos e oportunidades reservadas aos seus cidadãos educados. Acessar a educação é premissa para ter acesso à condição de cidadão de pleno direito.

A história da educação brasileira tem sido marcada pela iniquidade e também pela luta para que o acesso à educação realize a promessa democrática. No entanto, a sociedade mantém uma relação paradoxal com a educação: se, por um lado, reafirma sua importância como fator de desenvolvimento – individual e coletivo – por outro, reage fortemente quando se adotam medidas que buscam dar equidade de acesso a segmentos tradicionalmente excluídos da educação, em especial da educação superior.

O Programa Universidade para Todos – ProUni – pode ser visto como um bom exemplo desse rico e complexo debate que envolve valores, visões de mundo, a compreensão do que fomos e do que queremos ser como nação. Nascido para regulamentar um dispositivo constitucional – a filantropia – que concede isenção fiscal a um conjunto de instituições educacionais, o ProUni tornou-se o maior e mais importante programa de bolsas para o acesso de segmentos da população pobre à educação superior em nosso país.

A trajetória da proposta inicial do programa, as alterações que sofreu, as críticas a que foi submetido fazem do ProUni um caso exemplar dos paradoxos de nosso país. Acusado por opiniões conservadoras (à direita) de ser uma intervenção indevida na iniciativa privada e por outras opiniões igualmente conservadoras (à esquerda) de ser um programa assistencialista com a real finalidade de defender os interesses do setor privado da educação superior, o ProUni atravessou esses poucos e longos anos de existência confirmando sua pertinência para o tema da democratização do acesso à educação superior.

Se criado no mesmo momento em que a Constituição de 1988 definiu a condição de filantropia, teria gerado milhares de vagas para acesso de segmentos mais pobres da população, uma verdadeira revolução em nosso país, tão avaro em oportunidades para os excluídos.

Esse é, certamente, um dos paradoxos mais gritantes: a sociedade reafirma sua crença no valor da educação como instrumento de redução de desigualdades e criação de oportunidades e, no entanto, reage quando se cria um programa que pretende democratizar o acesso e ampliar oportunidades.

Quando se trata de considerar o ProUni levando em conta os temas da diversidade étnica e cultural, sua contribuição é imensa. Ao estabelecer a reserva de vagas para afrodescendentes e indígenas, entre outros segmentos, o programa aponta para o desafio que precisa ser enfrentado com urgência e que, isoladamente, o próprio programa não dará conta.

O desafio que o ProUni tem enfrentado diz respeito à promessa de tornar a educação um fator de mobilidade social para os indivíduos e também um fator de redução das desigualdades da própria sociedade. Ao estabelecer cotas para afrodescendentes e indígenas, o Programa indica um caminho a ser seguido: a educação deve gerar oportunidades para vencer as desigualdades. Não será a educação isoladamente o único caminho para o enfrentamento da desigualdade em nosso país.

Mas se alcançarmos, neste campo, padrões mínimos de equidade de acesso, permanência e sucesso, haverá mais vozes, mais atores empenhados e qualificados para a necessária transformação do ambiente social, econômico e cultural de nosso país. A rigor, o ProUni inicia a possibilidade da formação de elites intelectuais comprometidas com suas origens, visto que o sentimento de pertencimento a determinados grupos – quer sejam afrodescendentes, quer indígenas – é condição para acesso às bolsas.

O debate sobre as cotas talvez não tenha ainda contribuído o bastante para a compreensão da desigualdade de acesso à educação pelas populações negras. Estudos recentes demonstram que a diferença de escolaridade entre as populações brancas e negras no Brasil se mantém constante há três gerações. Como é consenso que não se trata de uma diferença natural – não há raças no sentido biológico – a explicação para a desigualdade só pode ser encontrada no processo histórico, econômico, cultural e social que estruturou a nação brasileira.

Romper o ciclo de herança da pobreza é um imperativo e cabe à educação – mas não somente a ela – um papel decisivo na criação de um novo ciclo de oportunidades para todos.

Os estudos educacionais têm apontado que a diferença não é apenas de acesso, mas também de permanência e de sucesso em todos os níveis de ensino. A herança da pobreza vem se perpetuando, garantida por argumentos insustentáveis à luz das premissas democráticas. O ProUni tem contribuído, entre outros aspectos, para derrubar os mitos que esses argumentos traduzem. Um dos mais fortes argumentos sustenta que o acesso à educação superior deve ser creditado ao mérito e que políticas afirmativas teriam como corolário a perda de qualidade da educação superior do país, minando todo o sistema de mérito em que está apoiada esta qualidade. Na medida em que o acesso às bolsas se faz por meio dos resultados do Enem, derrubou-se o mito do ingresso.

As avaliações realizadas pelo Enade apontaram que os estudantes bolsistas do ProUni alcançaram resultados superiores aos dos demais estudantes na maioria dos cursos avaliados. Assim se confirma que o resultado de uma única prova – seja o Enem, seja o vestibular – não é termômetro suficiente para avaliar mérito, que deveria ser, a rigor, no plural – méritos – visto que provas avaliam aspectos do conhecimento, mas não mensuram outras dimensões que contribuem para o bom desempenho dos estudantes no ensino superior. Os resultados do Enade demoliram definitivamente o preconceito que atribuía aos mais pobres – em particular aos negros – insuficiência de aprendizado ou de capacidade de superar os obstáculos próprios de uma educação tradicionalmente elitizada, vinculada a um universo de valores marcadamente europeizante, branco, masculino e homofóbico.

No entanto, o ProUni não é uma ação isolada e integra uma política de governo que tem na expansão das redes de educação superior e profissional outro importante instrumento de democratização do acesso. As políticas de promoção da igualdade racial, implementadas pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR – enfrentam outras dimensões com que o preconceito e a discriminação marcam a sociedade brasileira atual.

O ProUni, tanto do ponto de vista simbólico quanto do ponto de vista da trajetória concreta da vida de milhares de indivíduos, trouxe uma enorme contribuição à educação brasileira e ao rompimento do ciclo de reprodução das desigualdades. O Programa, integrado ao conjunto de políticas afirmativas em curso no país, é um marco que deve orientar a criação de novas janelas de oportunidades aos excluídos na sociedade brasileira.

Na questão indígena, o ProUni também traz uma importante inovação, ao estabelecer cotas de acordo com os indicadores demográficos de cada estado da federação. Criou-se o primeiro programa de acesso à educação superior para a população indígena – ou melhor, as populações indígenas, visto que não há índio, no singular, mas cerca de 225 povos distintos, falantes de 180 línguas maternas.

A constituição de 1988 foi um importante marco nas conquistas das comunidades indígenas, garantindo-lhes o direito a uma educação própria, em sua própria língua e em diálogo com suas tradições e projetos de futuro. Quando se trata de educação, é disso que se trata: o direito à construção de futuros e, para as comunidades indígenas, esse direito ainda aguardava sua realização por meio de políticas adequadas. O ProUni abre a oportunidade para que jovens e lideranças indígenas alcancem cursos de nível superior, habilitando-os à aquisição de conhecimentos sem os quais as relações já assimétricas entre suas comunidades e a sociedade envolvente se distanciariam ainda mais.

O ProUni está apenas em seu começo. Estão se formando as primeiras turmas, estão sendo realizadas as primeiras pesquisas mais amplas e detalhadas sobre seus impactos: na vida dos bolsistas e de suas comunidades, no ambiente acadêmico e no conjunto de valores criado nesse ambiente, nas próprias instituições e nas políticas públicas de educação superior e ações afirmativas. Em recente encontro com o Ministro da Educação, bolsistas apresentaram sugestões para modificação e aprimoramento do Programa. Desde já se pode observar que o ProUni inova e cria oportunidades, tanto para os indivíduos diretamente beneficiados como para suas famílias, mas também para as instituições que os recebem e seus estudantes.

Se acreditamos que educar é mais do que adestrar para uma técnica, se educar é construir valores para a sustentabilidade – ambiental, política, econômica, social e cultural – de nossas sociedades, o ProUni inova mais uma vez: a diversidade é, em si, um valor educativo e conviver mais ampla e livremente com a diversidade étnica e cultural de nosso país formará gerações mais aptas a valorizar a riqueza que essa diversidade significa, contribuindo ativamente para a sociedade mais justa pela qual lutamos e que o país merece.

A partir do Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE – as possibilidades de articulação entre território, educação e desenvolvimento se ampliam enormemente. No caso da educação escolar indígena, o caminho traçado pelo Ministério da Educação é fortalecer os arranjos etno-educativos, promovendo a integração de diferentes atores – as comunidades indígenas, os municípios, estados e a União – para garantir o direito constitucional a uma educação própria. Neste contexto, as bolsas do ProUni ganharão um significado ainda maior, pois estarão arti-culadas com um projeto que leva em conta as tradições, línguas e culturas das etnias participantes.

Há muitos desafios a serem vencidos. Os valores culturais desenvolvidos ao longo da história pelos segmentos excluídos também devem eles ser incorporados aos saberes constituídos e valorizados. É o caso, por exemplo, dos saberes dos povos indígenas. Em tempos de piratarias, contar com indígenas formados em biologia, medicina, veterinária e também em letras, pedagogia e história, certamente contribuirá para que a nação brasileira se enriqueça e distribua melhor a riqueza criada. Pelo Secretário de Educação Continuada, do Alfabetização e Diversidade da SECAD/MEC.

 

>>>VEJA MAIS: ENTENDA O PROUNI, Porta aberta para a inclusão social, DEPOIMENTOS: Fala Universitário!., PROUNI – Inclusão com qualidade, TECNOLOGIA SISPROUNI, FINANCIAMENTO: FIESEncontro dos Estudantes do PROUNIBOLSA PERMANÊNCIA DO PROUNI, HISTÓRIAS DO PROUNI.

Confira o Guia de como escolher a carreira e mais informações gerais de como escolher a profissão. Descubra os Tipos de Vestibulandos existentes! Saiba com qual vai se identificar!

Bolsa de estudos no Vestibular1, O Vestibular1 ajuda você a encontrar bolsas de estudo que poderá mudar o seu futuro. Visite nossas seções de Vestibular e de Enem elas podem te ajudar a entrar na sonhada Faculdade!

 

 

Publicado em:Prouni

Você pode gostar também