Menu fechado
Escolas Literárias para vestibular

Obras do Realismo e Naturalismo

 

Escola literária – Obras do Realismo e Naturalismo

As seguintes são obras de autores realistas, naturalistas e outros que apesar de se encaixar nestas tendências, não são classicamente pertencentes a estas escolas. As principais características são a apresentação do homem como produto do meio no Naturalismo, a linguagem mais próxima da falada, a não idealização da mulher (mais sensual que anteriormente apresentada) e vários outros rompimentos com o Romantismo.

Obras do Realismo e Naturalismo – O Cortiço Por Aluísio de Azevedo
Naturalismo

O Cortiço conta principalmente duas histórias: a de João Romão e Miranda, dois comerciantes, o primeiro o avarento dono do cortiço, que vive com uma escrava ao qual ele mente liberdade. Com o tempo sua inveja de Miranda, menos rico mas mais fino, com um casamento de fachada, leva-o a querer se casar com sua filha (e tornar-se Barão no futuro, tal qual Miranda se torna no meio da história).

Isto faz com que ele se refine e mais tarde tente devolver Bertoleza, a escrava, a seu antigo dono (ela se mata antes de perder a liberdade). A outra história é a de Jerônimo e Rita Baiana, o primeiro um trabalhador português que é seduzido pela Baiana e vai se abrasileirando.

Acaba por abandonar a mulher, parar de pagar a escola da filha e matar o ex-amante de Rita Baiana. No pano de fundo existem várias histórias secundárias, notavelmente as de Pombinha, Leocádia e Machona, assim como a do próprio cortiço, que parece adquirir vida própria como personagem.

Obras do Realismo e Naturalismo – Casa de Pensão Por Aluísio de Azevedo
Naturalismo

A história conta sobre Amâncio, um jovem preguiçoso e vil que chega ao Rio de Janeiro para “estudar”, quando na verdade quer apenas festa. Filho de pai rígido e mãe bondosa, teve como primeiro professor um homem cruel. Sem muita intelectualidade, pena no estudo da Medicina.

Primeiro mora na casa de Campos, cujo a mulher Hortênsia brinca de sedução. Depois muda-se para a casa de pensão João Coqueiro, onde este e sua mulher tramam um plano para que ele case com Amélia, sua irmã. Este plano sofre oposição de Lúcia, que quer o rapaz e sua riqueza para si.

Lúcia é expulsa e Amélia e Amâncio tornam-se amantes. Os abusos de Coqueiro e seu séquito, como a exigência de uma casa nova levam Amâncio a aborrecimentos e, meses depois da morte do pai com quem principiava a se reconciliar, tenta viajar de volta para o Maranhão. Impedido pela lei por uma acusação de ter estuprado Amélia é impedido de viajar, mas é inocentado.

ampos, que ficara sempre a seu lado, volta-se contra ele após descobrir a sua paixão por Hortênsia. Após livre Amâncio vai a uma festa no Hotel Paris, onde João Coqueiro lhe mata pela manhã durante o sono. Depois do novo escândalo sua mãe chega sem saber de sua morte e o descobre vendo a exploração comercial feita do caso. Baseada em uma história real que escandalizou o Brasil no século XIX.

Obras do Realismo e Naturalismo – O Mulato Por Aluísio de Azevedo
Naturalismo

A história é sobre o amor de Ana Rosa e seu primo Raimundo, impedido belas barreiras do preconceito racial contra Raimundo, que é mulato. Raimundo é rejeitado, ignorado e maltratado pela sociedade do Maranhão (onde a história se passa), mas ainda assim seu amor e o de Ana Rosa florescem.

Após certo tempo Raimundo propõe a Manoel, seu tio e pai de Ana, que eles se casassem, mas este recusa apenas baseado no fato de que Raimundo é um mulato. Ante a esse fato Raimundo recua transtornado enquanto Ana, mesma com hesitações, tenta recuperá-lo, mesmo sem entender o motivo da separação no começo.

Ele recobra os ânimos e eles decidem fugir, mas são pegos. Após uma discussão sobre o que fazer do futuro de Ana Rosa (um empregado de seu pai era seu noivo a contragosto dela), ela revela estar grávida de Raimundo. Isso escandaliza a avó (extremamente preconceituosa e uma das maiores barreiras para este amor), estranha ao noivo e deixa o pai descrente dos fatos.

O único que não se surpreende com a revelação é o cônego Diogo, confidente de Ana Rosa, amante da esposa do pai de Raimundo quando o casal era vivo, e executor do pai de Raimundo. Diogo é preconceituoso e manipulador; odeia Raimundo por este ser mulato e maçom. Quando era amante de Quitéria, esposa de José, pai de Raimundo, obrigou José a não revelar nada quando este esganou a esposa (preconceituosa, ela torturava escravos e negros forros como a mãe de Raimundo, Domingas) ao achá-la em adultério.

Padrinho de Ana Rosa, ele exerce seu poder de influência muito habilidosamente e protege Dias, o noivo de Ana. Quando após o fatídico encontro eles se retiram, Diogo convence Dias a matar Raimundo e dá-lhe a arma do crime. Dias mata Raimundo relutantemente e o crime passa por todos na impressão geral de ter sido suicídio.

Quando Ana descobre tem um aborto. Seis anos depois mostra-se o destino de várias personagens secundárias e o de Ana e sua família. A avó Maria Bárbara e o pai Manoel (que tinha o apelido de Pescada) morreram e ela e Dias aparecem casados e bem, com três filhos; ela comporta-se amorosamente com o marido, executor de seu antigo amado, que antes detestava.

Ainda cheio de vícios românticos (maniqueísmo, herói e heroína perfeitos, vilões cruéis, supervalorização do amor, o mistério e o suspense comuns aos românticos), esta obra prevalece como naturalista pois a visão de mundo é naturalista, existe um forte Determinismo e o herói, assim como o autor, é positivista.

Obras do Realismo e Naturalismo – Luzia-Homem Por Domingos Olímpio
Naturalismo

Luzia-Homem é um exemplo do Naturalismo regionalista. Passado no interior do Ceará, nos fins de 1878, durante uma grande seca, vai contando a história da retirante Luzia, mulher arredia, de grande força física (o apelido Luzia-Homem provém desta força que lhe permitia trabalhar melhor que homens fortes).

Luzia trabalha na construção de uma prisão e é desejada pelo soldado Capriúna. Mas Luzia não se interessa por amores e mantém uma relação de amizade e ajuda mútua com Alexandre. Após Alexandre propor-lhe casamento (existe por toda a história a relutância de Luzia de admitir que gosta de Alexandre), este é preso por roubar o armazém do qual era guarda.

Luzia passa visitar-lhe na prisão e sua amiga, a alegre Teresinha, para cuidar de sua mãe doente. Após certo tempo, Luzia para de lhe visitar na prisão. Ao fim Teresinha descobre que Capriúna era o verdadeiro ladrão e uma das assistentes de Luzia (ela havia sido dispensada e depois voltara ao trabalho, mas como costureira) lhe falar que a testemunha contra Alexandre mentia, o culpado é preso.

A família de Teresinha aparece (ela havia fugido de casa com um amante que morreu meses depois) e ela, humilhada fica subserviente a eles, especialmente ao pai que a rejeita. Luzia descobre isto e, depois de um interlúdio, convence-a a viajar com ela, migrando para o litoral.

No caminho Capriúna se liberta e vai ataca Teresinha, a culpada de sua prisão. Encontrando Luzia, mata-a e acaba caindo de um desfiladeiro. Marcado pela fala característica dos personagens, Luzia-Homem mantém duas características clássicas do Naturalismo por toda obra: o cientificismo na linguagem do narrador e o determinismo (teoria de que o homem é definido pelo meio).

Obras do Realismo e Naturalismo – Bom-Crioulo Por Adolfo Caminha
Bom-Crioulo é o apelido de Amaro, escravo fugido que se torna marinheiro. Ele desenvolve um relacionamento homossexual com Aleixo, jovem grumete. Eles arranjam um sótão para seus encontros na casa de Carolina, amiga de Amaro.

Quando este é transferido, passam a se desencontrar e Carolina seduz Aleixo. Amaro, que estava hospitalizado, doente e fraco quando antes era forte, descobre que ele havia se tornado amante de Carolina e mata-o.

Nem homófobo nem homófilo, este romance apresenta a imparcialidade naturalista típica. O relacionamento dos dois é retratado como outro qualquer e Aleixo é sempre descrito como “feminino”, tornando-se “masculino” só após algum tempo como amante de Carolina.

Obras do Realismo e Naturalismo – O Ateneu Por Raul Pompéia
Naturalismo e Realismo, com tendências Expressionistas e Impressionistas

Narrado em primeira pessoa, “O Ateneu” é narrado pelo personagem principal, Sérgio, já adulto. Não linearmente, ele mostra os dois anos em que viveu na escola, microcosmo que servia de metáfora para a Monarquia e a sociedade em geral, com os fortes dominando os fracos e um rei comandando, o diretor Aristarco neste caso.

Narrados são episódios de suas amizades, seus colegas interferindo com ele, a tensão homossexual entre os alunos do internato, a falsidade de uns, a deformação de caráter de outros e a única pessoa que lhes ajudava no internato, Dona Ema, mulher de Aristarco.

Quando a escola é incendiada no final da história por um aluno durante as férias, Ema foge. Sérgio presencia a cena pois estava convalescendo ainda na escola. Segundo críticos posteriores este final da história seria simbólico e representaria a vingança do autor de seu passado, já que a história tem caráter semi-autobiográfico.

Por: Augus Sobre Vestibular

Leia Escola literária – Obras do Realismo e Naturalismo – parte I

 

Escola literária – Obras do Realismo e Naturalismo

Publicado em:Escolas Literárias

Você pode gostar também