A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho

A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho

A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho

 

A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho: A ação tem lugar em casa de Margarida; numa casa de campo em Auteuil; em casa de Olímpia e, novamente, em casa de Margarida.
ATO I
(“Boudoir” de Margarida. Uma porta ao fundo; à direita, uma lareira, à esquerda, uma porta aberta, deixando à mostra uma mesa e candelabros. Á direita, entre a lareira e a porta do fundo, outra porta. Piano, mesas, poltronas e cadeiras).
CENA I
(Nanine está trabalhando; Varville está sentado junto à lareira. Ouve-se a campainha).
VARVILLE Estão batendo.
NANINE Valentim vai abrir.
VARVILLE De certo é Margarida.
NANINE Ainda não. Só deve chegar às dez e meia e ainda são dez horas… Veja! É dona Nichete

CENA II
NICHETTE (Da soleira, entreabrindo a porta) Margarida não está?
NANINE Não, senhora. Queria falar com ela?
NICHETTE Não. Passei por aqui e subi para lhe dar um abraço; mas como não está já vou andando.
NANINE Espere um pouco, ela não deve demorar.
NICHETTE Não, não tenho tempo; Gustavo está lá embaixo. Ela vai bem?
NANINE Vai como sempre.
NICHETTE Diga-lhe que um dia desses venho vê-la e que lhe deixei um abraço. Até logo, Nanine. Adeus, meu senhor. (Cumprimenta e sai).
CENA III
(Nanine e Varville)
VARVILLE Quem é essa moça?
NANINE É dona Nichette.
VARVILLE Nichette! Isso é nome de gata, não é nome de gente.
NANINE É um apelido. Tem os cabelos tão crespos que parece mesmo uma gatinha. Foi colega da patroa na loja onde ela antigamente trabalhava.
VARVILLE Então Margarida já trabalhou numa loja?
NANINE Foi bordadeira.
VARVILLE Ora vejam!
NANINE O senhor não sabia? Não é nenhum segredo.
VARVILLE É bem bonitinha, essa Nichette!
NANINE É ajuizada!
VARVILLE E esse tal de Gustavo?
NANINE Que Gustavo?
VARVILLE O que ela disse que estava esperando lá embaixo?
NANINE É o marido dela.
VARVILLE Então é o senhor Nichette?
NANINE Ainda não é o marido, mas logo vai ser.
VARVILLE Portanto é o amante. Muito bem… A mocinha é ajuizada, mas já tem o seu amante.
NANINE Que só gosta dela, como ela só gosta dele e sempre há de gostar. E com quem vai se casar, ouça o que estou lhe dizendo. Dona Nichette é uma moça direita.
VARVILLE (Levantando-se e se aproximando de Nanine). Afinal de contas, pouco me importa… Parece que não estou ganhando terreno aqui.
NANINE Não está mesmo.
VARVILLE Que ideia de Margarida…
NANINE O que?
VARVILLE Sacrificar todo o mundo a esse tal de Mauriac, que deve ser um bom cacete.
NANINE Coitado! É a única felicidade que tem… É um pai para ela… Mais ou menos.
VARVILLE Claro! Anda correndo por aí uma estória muito patética. Infelizmente…
NANINE Infelizmente, o que?
VARVILLE Eu não acredito nela.
NANINE (Levantando-se). Ouça, Sr. barão, há muito de verdade no que corre sobre a patroa; razão de sobra para não se dar ouvidos ao que é falso. Mas uma coisa eu lhe digo, porque vi com os meus próprios olhos, e Deus é testemunha de que não estou levando e trazendo, pois a patroa não tem o menor interesse em enganá-lo, nem se preocupa o mínimo em estar bem ou mal com o senhor. … Mas como eu ia dizendo, há dois anos atrás, depois de uma modéstia grave, a patroa foi para uma estação de águas, convalescer. Eu fui com ela. Entre os doentes que frequentavam o balneário havia uma moça, mais ou menos da idade dela, e com a mesma moléstia, só que em grau mais adiantado. As duas pareciam gêmeas. Essa moça era a filha do duque de Mauriac.
VARVILLE E a moça morreu.
NANINE Pois é.
VARVILLE E o duque, desesperado, descobrindo nos traços, na idade e até na moléstia de Margarida a imagem da filha, implorou que o recebesse e que o deixasse amá-la como um pai. Então Margarida confessou sua condição…
NANINE Porque a patroa não mente.
VARVILLE Justo. Mas como Margarida não se parecia com ela no moral, tanto quanto se parecia no físico, o duque prometeu-lhe tudo, contanto que ela mudasse de vida com o que Margarida concordou logo. Mas de volta a Paris é claro que se esqueceu de tomar ao pé da letra a palavra dada. E o duque… Vendo que só recebia metade da felicidade, cortou-lhe a mesada pela metade. Resultado: Margarida tem hoje 50.000 francos de dívidas.
NANINE Que o senhor está pronto a pagar. Infelizmente há quem prefira dever dinheiro aos outros, que reconhecimento ao senhor.
VARVILLE Mesmo porque o conde de Giray está sempre à mão.
NANINE O senhor é impossível! O que eu posso afirmar é que a estória do duque é verdadeira, dou-lhe a minha palavra. Quanto ao conde não passa de um amigo.
VARVILLE Pronuncie melhor a palavra.
NANINE Isso mesmo, um amigo! Que língua o senhor tem, credo! Estão batendo. Deve ser a patroa. Posso contar a ela o que o senhor andou me dizendo?
VARVILLE (Dando-lhe a bolsa). Não, Nanine, não conte.
NANINE (Pegando a bolsa). O senhor merecia que eu contasse.
CENA IV
MARGARIDA (À Nanine). Mande aprontar a ceia, Nanine. Olímpia e Saint-Gaudens vêm ai… encontrei-os na Ópera. (À Varville). Você por aqui, Varville? (Vai sentar-se junto à lareira).
VARVILLE O meu destino, senhora, é esperar por vós…
MARGARIDA Mas o meu destino, senhor, não é vos aturar…
VARVILLE Enquanto não me fechar à porta, hei de vir.
MARGARIDA Com efeito, não há uma só vez que eu entre em casa que não o encontre esperando. O que ainda tem para me dizer?
VARVILLE Você bem sabe.
MARGARIDA A mesma coisa, sempre! Que monotonia Varville!
VARVILLE Que culpa eu tenho de gostar de você?
MARGARIDA Que bom argumento! Meu caro, se eu fosse obrigada a ouvir todos os que gostam de mim, não me sobrava mais tempo nem para jantar. Uma vez por todas, Varville, está perdendo seu tempo. Deixo você vir quando lhe dá na cabeça entrar quando não estou em casa, me esperar até minha chegada… nem sei bem porque. Mas pretende continuar falando de seu amor sem me dar trégua, eu o mando embora.
VARVILLE No entanto, Margarida, o ano passado em Bágnères, você me deu esperanças.
MARGARIDA Ah! Meu caro, isso foi em Bàgnères, eu estava doente, aborrecida… Aqui é diferente, estou me sentindo bem e não me aborreço mais.
VARVILLE Compreendo quando se é amada pelo duque de Mauriac…
MARGARIDA Que idiota!
VARVILLE E quando se gosta do conde de Giray…
MARGARIDA Posso gostar de quem quiser ninguém tem nada com isso e muito menos você; e sé só o que tem a dizer, pode ir embora. (Varville começa a andar pela sala). Não quer ir embora?
VARVILLE Não.
MARGARIDA Então sente-se ao piano. É a única coisa que sabe fazer.
VARVILLE O que quer que eu toque? (Nanine entra durante a música).
MARGARIDA O que quiser.
CENA V
(Os mesmos, Nanine).
MARGARIDA Deu ordens para a cela, Nanine.
NANINE Dei, sim senhora.
MARGARIDA O que é isso que você está tocando, Varville?
VARVILLE Uma “Rêverie” de Rosselen.
MARGARIDA Que bonito!…
VARVILLE Escute, Margarida, tenho 80.000 francos de renda.
MARGARIDA E eu, 100.000. (A Nanine). Você esteve com Prudência?
NANINE Estive, sim senhora.
MARGARIDA Ela vem cá, hoje de noite?
NANINE Vem, sim senhora assim que chegar. Dona Nichette esteve aqui.
MARGARIDA E por que não me esperou?
NANINE O Sr. Gustavo estava lá embaixo. Quem também esteve aqui foi o doutor.
MARGARIDA O que é que ele queria?
NANINE Recomendar à senhora que não se esquecesse do repouso.
MARGARIDA Como ele é bom! E que mais?
NANINE Também trouxeram umas flores.
VARVILLE Que eu mandei.
MARGARIDA (Pegando o ramalhete). Rosas e goivos. Leve essas flores para o seu quarto, Nanine. (Nanine sai)
VARVILLE (Parando de tocar). Por quê? Não gostou?
MARGARIDA Como é que me chamam?
VARVILLE Margarida Gauthier.
MARGARIDA Que apelido me deram?
VARVILLE A dama das camélias.
MARGARIDA Por quê?
VARVILLE Porque são as únicas flores que costuma usar.
MARGARIDA O que quer dizer que são as únicas flores que me agradam, e que é inútil me mandarem outras. Se pensou que lhe ia abrir uma exceção, enganou-se, Varville. O perfume me enerva.
VARVILLE Não tenho mesmo sorte. Adeus Margarida.
MARGARIDA Adeus.
CENA VI
(Os mesmos, Olímpia, Saint-Gaudens, Nanine).
NANINE (Entrando). Dona Olímpia e o Sr. Saint-Gaudens.
MARGARIDA Até que enfim, Olímpia, pensei que não viesse mais.
OLÍMPIA A culpa foi de Saint-Gaudens.
SAINT-GAUDENS A culpa é sempre minha. Boa noite, Varville.
VARVILLE Boa noite, meu caro.
SAINT-GAUDENS Vai cear conosco?
MARGARIDA Não, não vai.
SAINT-GAUDENS (À Margarida). E você, menina, como tem passado?
MARGARIDA Muito bem.
SAINT-GAUDENS Ótimo! Então, como é? Vamos nos divertir hoje aqui?
OLÍMPIA É claro! Você não está presente?
SAINT-GAUDENS Pestinha! Ah! E Varville que não ceia conosco, não me conformo com isso. (A Margarida). Quando passei pelo “Galo de Ouro” pedi que me mandassem umas ostras e aquela champanha que só vendem a mim, uma delícia! Uma verdadeira delícia!
OLÍMPIA É Prudência, não vem?
MARGARIDA Vem sim.
OLÍMPIA (Baixo à Margarida). Por que não convidou o Edmundo?
MARGARIDA E você? Por que não o trouxe?
OLÍMPIA É Saint-Gaudens?
MARGARIDA Será que ainda não se habituou?
OLÍMPIA Ainda não, minha filha. Na idade dele é difícil pegar um hábito, principalmente um bom hábito.
MARGARIDA (Chamando Nanine). E a ceia, Nanine?
NANINE Daqui a cinco minutos. Onde quer que a sirva? Na sala de jantar?
MARGARIDA Não, aqui mesmo, estamos mais à vontade. E então, Varville? Você ainda não foi?
VARVILLE Já vou indo.
MARGARIDA (Na janela chamando). Prudência!
OLÍMPIA Ah, então Prudência mora ao lado?
MARGARIDA Em frente. Suas janelas ficam defronte às minhas. Estamos separadas por uma área apenas. É muito cômodo quando preciso dela.
SAINT-GAUDENS Ah! E o que é que ela faz?
OLÍMPIA É modista…
MARGARIDA Mas sou eu a única pessoa no mundo que lhe compra os chapéus.
OLÍMPIA Que, aliás, não usa.
MARGARIDA Já faço muito de os comprar, são medonhos! Mas é uma boa pessoa e vive precisando de dinheiro. (Chamando). Prudência!
PRUDÊNCIA (Do lado de fora). O que é?
MARGARIDA Se já chegou, por que é que ainda não veio?
PRUDÊNCIA Não pude.
MARGARIDA Por quê?
PRUDÊNCIA Estou com visita, dois moços. E me convidaram para cear.
MARGARIDA Pois traga-os para cá, dá no mesmo. Como é que se chamam?
PRUDÊNCIA Um, você já conhece, é Gastão Rieux.
MARGARIDA Oh! Se conheço! E o outro?
PRUDÊNCIA O outro é um amigo dele.
MARGARIDA É o que basta; então venha de. pressa. Está fazendo frio, hoje. (Tosse um pouco à Olímpia, sentando-se perto dela). E você, como vai?
OLÍMPIA Bem.
MARGARIDA Ponha lenha no fogo, Varville, estamos gelados. Ao menos seja útil, já que não pode ser agradável. (Varville se abaixa diante da chaminé e atiça o fogo).
CENA VII
(Os mesmos, Gastão, Ar mando, Prudência, um criado).
O CRIADO (Anunciando). O Sr. Gastão Rieux, o Sr. Armando Duval, a Sra. Duvernoy.
OLÍMPIA Que finura! Quanta etiqueta!
PRUDÊNCIA Pensei que houvesse gente da alta.
SAINT-GAUDENS A Sra. Duvernoy já começa com as suas gentilezas.
GASTÃO Minha senhora, como tem passado?
MARGARIDA Bem e o senhor?
PRUDÊNCIA Ah! Que cerimônias são essas?
MARGARIDA Gastão agora é um moço de salão; depois, se eu falasse com ele de outro jeito, Eugênia me arrancava os olhos.
GASTÃO As mãos de Eugênia são pequenas demais para tão grandes olhos.
PRUDÊNCIA Chega de galanteria. Margarida quero lhe apresentar o Sr. Armando Duval…
MARGARIDA Preciso me levantar?
ARMANDO Não minha senhora, não é preciso.
PRUDÊNCIA… o apaixonado mais fiel que você tem em Paris.
MARGARIDA (À Prudência). Diga que ponham mais dois talheres; pois acho que essa paixão não o vai impedir de cear. (Estende a mão a Armando, que se inclina e a beija).
SAINT-GAUDENS (A Gastão que está na sua frente). Que prazer em vê-lo, meu caro!
GASTÃO Sempre moço, hein meu velho?
SAINT-GAUDENS Sempre.
GASTÃO E como vamos de amores?
SAINT-GAUDENS (Mostrando Olímpia). Como está vendo.
GASTÃO Meus parabéns.
SAINT-GAUDENS Estava morrendo de medo de encontrar Amanda por aqui.
GASTÃO Coitada! Bem que gostava de você.
SAINT-GAUDENS Até demais. Mas havia um certo jovem de quem não conseguia se desvencilhar: o banqueiro. (Ri). Como é que eu podia fazê-la perder uma posição tão brilhante? Eu era o favorito. Esplêndido. Mas vivia escondido nos armários, rondando as escadas, esperando ao relento.
GASTÃO O que lhe dava reumatismo.
SAINT-GAUDENS Não, mas o tempo corre. E a mocidade passa. E Varville, coitado, que não ceia conosco? Não me conformo.
GASTÃO (Aproximando se de Margarida). estupendo, ele tem dezoito anos!
MARGARIDA Só os velhos é que não envelhecem nunca. Ele é estupendo.
SAINT-GAUDENS (A Armando, que Olímpia está lhe apresentando). Por acaso é parente do Sr. Duval, o coletor geral?
ARMANDO Sou, sim senhor é meu pai. O senhor o conhece?
SAINT-GAUDENS Conheci-o há tempos, em casa da baronesa de Nersay. A senhora sua mãe também por sinal que era muito bonita.
ARMANDO Morreu há três anos.
SAINT-GAUDENS Desculpe ter falado nisso.
ARMANDO Gosto que falem em minha mãe. As grandes afeições têm isso de belo: quando já não temos a felicidade de sentir, resta-nos sempre a felicidade de recordar.
SAINT-GAUDENS É filho único?
ARMANDO Não, tenho uma irmã… (Vão avançando para o fundo do palco, sempre conversando).
MARGARIDA (Baixo, a Gastão). É muito simpático, seu amigo.
GASTÃO Também acho. E, além disso, tem uma verdadeira paixão por você, não é mesmo, Prudência?
PRUDÊNCIA O que?
GASTÃO Estava dizendo à Margarida que Armando está louco por ela…
PRUDÊNCIA E verdade; nem pode fazer uma ideia!
GASTÃO Gosta tanto de você que nem se atreve a confessar.
MARGARIDA (A Varville, que está tocando piano). Fique quieto, Varville.
VARVILLE Mas é você que me manda sempre tocar piano.
MARGARIDA Quando estamos sós; mas não quando tenho visitas.
OLÍMPIA O que estão cochichando aí?
MARGARIDA Se quiser saber, preste atenção.
PRUDÊNCIA (Baixo) E dizer que esse amor já tem dois anos!
MARGARIDA Santo Deus! Já é um velho!
PRUDÊNCIA Armando vive em casa de Gustavo e de Nichette só para ouvir falar em você.
GASTÃO O ano passado, quando você esteve doente e passou três meses de cama, não lhe contaram que todos os dias um moço vinha pedir notícias, sem nunca deixar o nome?
MARGARIDA Estou me lembrando…
GASTÃO Pois era ele.
MARGARIDA Que amabilidade! (Chamando). Sr. Duval?
ARMANDO Minha senhora…
MARGARIDA Sabe o que estão me dizendo? Estão me dizendo que quando eu estive doente, senhor vinha saber de mim, todos os dias.
ARMANDO É verdade, minha senhora.
MARGARIDA O menos que eu posso fazer, agora, é agradecer-lhe. Está ouvindo, Varville? Você nunca foi capaz de fazer o mesmo.
VARVILLE Mas se eu só a conheço há um ano!
MARGARIDA E este senhor, que só me conhece há cinco minutos?… Você só diz bobagens, Varville. (Entra Nanine, acompanhada dos criados, trazendo a mesa).
PRUDÊNCIA Para a mesa! Estou morrendo de fome.
VARVILLE Adeus, Margarida.
MARGARIDA Adeus, meu amigo, e até quando?
VARVILLE Você é que sabe?
MARGARIDA Então, adeus.
VARVILLE (Cumprimentando). Meus senhores.
OLÍMPIA Adeus Varville, adeus meu caro (Enquanto isso os empregados arrumaram a mesa, que a esta pronto todos se puseram à mesa).
CENA VIII
(Os mesmos, menos Varville).
PRUDÊNCIA Como você é áspera com o bar.
MARGARIDA Ele é um cacete. Vive me oferecendo um pecúlio.
OLÍMPIA E ainda se queixa! Quem me dera que fizesse o mesmo comigo!
SAINT-GAUDENS É muito lisonjeiro para mim, o que você está dizendo.
OLÍMPIA Não meta na conversa a sua colher torta, meu caro. Não é com você que eu estou falando….
MARGARIDA Vamos, sirvam-se! Comam, bebam e discutam, mas só a conta para depois fazerem as pazes.
OLÍMPIA (À Margarida). Sabe o que ele me deu no dia dos meus anos?
MARGARIDA Quem?
OLÍMPIA Saint-Gaudens.
MARGARIDA Não.
OLÍMPIA Um cupê.
SAINT-GAUDENS Do Binder.
OLÍMPIA É, mas não consegui que me desse os cavalos.
PRUDÊNCIA Enfim, um cupê, é sempre um cupê.
OLÍMPIA Mas sem a parelha, só se eu mesma o puxasse. Seria muito bonito.
SAINT-GAUDENS Estou arruinado, goste de mim como eu sou.
OLÍMPIA Pois sim! Não faltava mais nada!
PRUDÊNCIA (Apontando um prato). Que bichinhos são esses?
GASTÃO Perdizes.
PRUDÊNCIA Me dê uma.
GASTÃO Ah! Com ela é uma perdiz de cada vez! Que belo garfo! Será que foi ela que arruinou Saint-Gaudens?
PRUDÊNCIA Ela! Ela! Isso são modos de falar a uma senhora? No meu tempo…
GASTÃO Ah! Vai começar a falar de Luís XV. Margarida, faça Armando beber; está triste como uma canção.
MARGARIDA Vamos senhor Armando, à minha saúde!
TODOS À saúde de Margarida!
PRUDÊNCIA Por falar em canção e se a gente cantasse uma?
GASTÃO Sempre as velhas tradições… Tenho certeza de que Prudência já se apaixonou por um tenor…
PRUDÊNCIA Basta, moço.
GASTÃO Cantar e comer é um absurdo.
PRUDÊNCIA Pois eu gosto; espairece. Vamos Margarida, cante a Canção de Philogène, um poeta que faz versos.
GASTÃO O que queria que ele fizesse?
PRUDÊNCIA Que faz versos a Margarida… a sua especialidade. Vamos, a canção?
GASTÃO Em nome de minha geração, eu protesto!
PRUDÊNCIA Então vamos por votos! (Todos levantam a mão, menos Gastão). Ganhou a canção. Dê o bom exemplo às minorias, Gastão.
GASTÃO Vá lá. Mas eu não gosto dos versos de Philogène. Já que me obrigam, prefiro cantar, (Canta).
GASTÃO (Tornando a se sentar). A verdade é que a vida é boa e Prudência é gorda.
OLÍMPIA É isso, há trinta anos.
PRUDÊNCIA Vamos acabar com essa brincadeira… Que idade pensam que eu tenho?
OLÍMPIA Uns quarenta anos bem batidos.
PRUDÊNCIA Essa agora é boa! Fiz trinta e cinco o ano passado.
GASTÃO Portanto, trinta e seis este ano… Vejam só! Ninguém lhe daria mais que uns quarenta, palavra de honra!
MARGARIDA A propósito de idade, me diga uma coisa Saint-Gaudens me contaram uma estória a seu respeito …
OLÍMPIA E a mim também
SAINT-GAUDENS Que estória?
MARGARIDA De um fiacre amarelo.
OLÍMPIA Pois é verdade.
PRUDÊNCIA Quer me passar a lagosta?
GASTÃO Credo! Prudência tem um estômago de avestruz.
PRUDÊNCIA Por acaso, é proibido comer?
GASTÃO Vamos, a estória do fiacre amarelo.
OLÍMPIA Fiquem sabendo meus amigos, que este imprestável que vocês estão vendo, até hoje não me deu um tostão de pecúlio…
SAINT-GAUDENS Calma. de meu tio.
OLÍMPIA Seus tio! Essa é boa!… Como se na sua idade ainda se pudesse ser sobrinho de alguém! Que tio é esse? O judeu errante?
SAINT-GAUDENS Quem sabe?
GASTÃO Então, só vai herdar uns cinco tostões… mau negócio.
OLÍMPIA Afinal, querem ou não querem ouvir a estória do fiacre amarelo?
GASTÃO Queremos, mas espere um pouco que eu vou sentar perto de Margarida Prudência está muito cacete.
PRUDÊNCIA Oh! Que moço, bem educado!
MARGARIDA Vamos, Gastão, fique quieto.
SAINT-GAUDENS — Que ceia excelente!
OLÍMPIA (A Saint-Gaudens) Eu te conheço! Está vendo se escapa da estória do fiacre.
MARGARIDA Amarelo.
SAINT-GAUDENS Eu? Que me importa!
OLÍMPIA Pois bem! Imaginem que Saint-Gaudens estava apaixonado por Amanda.
GASTÃO Já estou ficando comovido, preciso dar um, beijo em Margarida.
OLÍMPIA Tenha modos, Gastão.
GASTÃO Olímpia está furiosa porque eu lhe estraguei o efeito.
MARGARIDA E tem razão. Você hoje está mais cacete do que Varville, por isso vai ficar de castigo como os meninos sem modos.
OLÍMPIA Isso! Vá já para o canto.
GASTÃO Com uma condição; no fim, cada um’ tem de me dar um beijo.
MAGARIDA Prudência faz a coleta e depois te beija por nós todas.
GASTÃO Não, assim não! Quero um beijo dei cada uma.
OLÍMPIA Está bem, vá lá! Agora vá se sentar bem quietinho. Um dia, ou melhor, uma noite.
GASTÃO (Tocando Malbrough no piano). Está desafinado, este piano.
MARGARIDA Não lhe deem confiança.
GASTÃO Que estória mais cacete!
SAINT-GAUDENS Gastão tem razão
GASTÃO Depois, para que toda essa estória? Para provar que Amanda enganava Saint-Gaudens. Mas quem é que ainda não foi enganado, Estamos cansados de saber que somos sempre enganados pelos amigos e pelas amantes. Isso é velho como a Sé e… como Prudência.
MARGARIDA Saint-Gaudens é um herói, um brinde a Saint-Gaudens, (Bebe). Nós todas vamos ficar loucas por Saint-Gaudens. Quem não estiver louca por Saint-Gaudens levante a mão… Que unanimidade !… Viva Saint-Gaudens! Gastão, toque qualquer coisa para Saint-Gaudens dançar.
GASTÃO Só sei uma polca.
MARGARIDA Pois que venha a polca! Vamos, Saint-Gaudens e Armando, arrastem a mesa.
PRUDÊNCIA Mas eu ainda não acabei .
OLÍMPIA Gente! Ela disse “Armando.”
GASTÃO (Tocando). Depressa, que já está chegando o pedaço em que eu me atrapalho.
OLÍMPIA O que? Eu é que vou dançar com Saint-Gaudens?
MARGARIDA Não, sou eu… Venha meu querido Saint-Gaudens, vamos.
OLÍMPIA Vamos, Armando, vamos. (Margarida dança um pouco e de repente pára).
SAINT-GAUDENS O que você tem?
MARGARIDA Falta de ar.
ARMANDO (Aproximando-se). A senhora está sentindo-se mal?
MARGARIDA Oh! Não é nada; vamos.
SAINT-GAUDENS Então, vamos. (Ela começa e torna a parar).
ARMANDO Pare, Gastão.
PRUDÊNCIA Margarida não está bem.
MARGARIDA Um copo d’água, por favor.
PRUDÊNCIA O que você tem?
MARGARIDA A mesma coisa, sempre. Não é nadas estou dizendo. Vão fumar um pouco na outra sala. Eu já vou.
PRUDÊNCIA Vamos, quando isso acontece ela prefere ficar só, não é nada.
MARGARIDA Vão, eu não demoro.
PRUDÊNCIA Venham! (À parte). Não há meio da gente se divertir, nesta casa.
ARMANDO Pobre moça!
CENA IX
(Margarida só).
MARGARIDA Ah!… (Olha-se no espelho). Como estou pálida!… Ah! (Esconde o rosto nas mãos e se apoia na lareira, com os cotovelos).
CENA X
(Margarida e Armando).
ARMANDO Então? Como está se sentido?
MARGARIDA Ah! É o senhor? Estou melhor, obrigada… Aliás, já me acostumei.
ARMANDO Está se matando… Quem me dera ser seu amigo, seu parente, para não a deixar fazer o que está fazendo.
MARGARIDA Não ia conseguir nada. Pronto, vamos!… Mas que é que há?
ARMANDO Não posso continuar vendo isso.
MARGARIDA Como o senhor é bom… Veja! Os outros nem se incomodam!
ARMANDO Os outros não gostam da senhora, como eu gosto.
MARGARIDA Ah! É verdade, ia me esquecendo desse grande amor.
ARMANDO Está achando graça?
MARGARIDA Deus me livre! Ouço a mesma coisa todos os dias, já não acho mais graça.
ARMANDO Pois seja! Mas será que este amor não merece uma promessa?
MARGARIDA Que promessa?
ARMANDO De se tratar.
MARGARIDA Me tratar… Será que é possível?
ARMANDO Por que não?
MARGARIDA Mas se eu me tratasse, eu morreria, meu amigo. O que ainda me sustenta é a agitação da vida que levo. Me tratar… Isso é bom para as moças de sociedade, as que têm família e amigos: mas nós, quando não servimos mais, nem para o prazer nem para a vaidade de ninguém, somos postas de lado. E às noites sem fim, sucedem os dias sem fim; eu sei disso, estive de cama dois meses, depois de três semanas, ninguém mais vinha me ver.
ARMANDO Eu sei que não significo nada para a senhora… mas se quisesse, Margarida, eu a tratava como um irmão, ficava sempre ao seu lado e havia de curá-la. Quando as forças voltassem, podia, se quisesse, retornar à vida que leva; mas tenho certeza de que então, ia preferir uma existência mais calma.
MARGARIDA Fica sempre terno, quando bebe?
ARMANDO Você não tem coração, Margarida?
MARGARIDA Coração… É a única ameaça de naufrágio na travessia que estou fazendo.
ARMANDO .Não tem coração, diga?
MARGARIDA Quem sabe? Tudo é possível. Mas por que está perguntando?
ARMANDO Porque se tiver coração, ou se for compreensiva, não pode rir do que estou falando.
MARGARIDA Então é sério?
ARMANDO Muito sério.
MARGARIDA Quer dizer que Prudência não me enganou, o senhor é mesmo sentimental.
ARMANDO É ridículo, não é?
MARGARIDA Depende da pessoa. Então, cuidaria de mim?
ARMANDO Cuidaria.
MARGARIDA Ficaria ao meu lado o dia inteiros.
ARMANDO O dia inteiro, até que me mandasse embora.
MARGARIDA E chama a isso?
ARMANDO Dedicação!
MARGARIDA E donde vem essa dedicação?
ARMANDO Da simpatia irresistível que sinta por você.
MARGARIDA Desde quando?
ARMANDO Há dois anos. Desde um dia em que passou por mim, bela, altiva e risonha. Desde esse dia sigo sua vida de longe, em silêncio.
MARGARIDA E por que só hoje está me dizendo tudo isso?
ARMANDO Eu não a conhecia, Margarida
MARGARIDA Devia ter procurado me conhecer Por que foi que quando estive doente, e veio saber de mim com tanta assiduidade, por que foi que não subiu?
ARMANDO Com que direito?
MARGARIDA Será que uma mulher como eu, pode constranger alguém?
ARMANDO Uma mulher sempre nos constrange… depois…
MARGARIDA Depois…
ARMANDO Tinha medo de você, da influência que poderia exercer em minha vida. A prova disso e a emoção que senti esta noite, vendo o estado em que se encontra.
MARGARIDA Então, está apaixonado por mim?
ARMANDO Hoje não lhe quero dizer.
MARGARIDA Então não me diga nunca.
ARMANDO Por quê?
MARGARIDA Porque só podem resultar duas coisas dessa confissão: ou não a levo a sério e fica-me querendo mal ou a levo a sério e neste caso sairá ganhando a companhia triste de uma mulher nervosa, doente, melancólica ou alegre, mas de uma alegria ainda mais soturna que a tristeza. Uma mulher que gasta 100.000 francos por ano isso bom para um velho rico como o duque, não para um moço, como você. Mas isso tudo é bobagem! Me dê a mão e vamos para a sala. Ninguém precisa saber do que estivemos falando.
ARMANDO Se quiser, vá mas peço-lhe que me deixe ficar.
MARGARIDA Por quê?
ARMANDO Porque sua alegria me faz mal.
MARGARIDA Quer que lhe dê um conselho?
ARMANDO Pois não.
MARGARIDA Se é verdade o que me disse, vá-se embora, fuja; ou então goste de mim apenas como amigo. Venha me ver de vez em quando, havemos de rir, de conversar, mas não exagere o que valho, pois não valho grande coisa. Seu coração é bom e você precisa de afeição; é muito moço, e muito sensível para viver no nosso meio. Goste de outra mulher e então se case. Está vendo, sou uma moça sensata e estou sendo franca.
CENA XI
(Os mesmos, Prudência).
PRUDÊNCIA (Entreabrindo a porta). Ah! Que diabo estão fazendo aí?
MARGARIDA Raciocinando; um momento ainda, Prudência nós já vamos.
PRUDÊNCIA Estejam à vontade!
CENA XII
(Margarida e Armando).
MARGARIDA Então, está combinado, não vai mais gostar de mim.
ARMANDO Vou viajar, sigo o seu conselho.
MARGARIDA É a esse ponto?
ARMANDO É…
MARGARIDA Quantos já me disseram o mesmo e não partiram.
ARMANDO De certo você os prendeu.
MARGARIDA Palavra, que não.
ARMANDO Então nunca se apaixonou por ninguém?
MARGARIDA Graças a Deus, nunca!
ARMANDO Obrigado!
MARGARIDA De que?
ARMANDO Do que acaba de dizer; nada podia me alegrar tanto.
MARGARIDA Que homem esquisito!
ARMANDO E se eu lhe contasse, Margarida, que já passei noites e noites debaixo de sua janela, que há seis meses guardo um botãozinho perdido de sua luva…
MARGARIDA Eu não acreditava.
ARMANDO Tem razão, é um disparate… ria de mim, é o melhor que tem a fazer Adeus.
MARGARIDA Armando!
ARMANDO Você me chamou?
MARGARIDA Não quero que se vá embora zangado.
ARMANDO Zangado com você? É impossível!
MARGARIDA Diga, há um pouco de verdade em tudo o que me disse?
ARMANDO Por que está perguntando?
MARGARIDA Se é assim, aperte minha mão, venha me ver de vez em quando, venha sempre…
para falarmos nisso.
ARMANDO É demais o que me oferece e ainda não é o bastante.
MARGARIDA Então meu amigo, faça o seu pedido, peça o que quiser, pois pelo que parece, sou eu que estou lhe devendo alguma coisa.
ARMANDO Não diga isso. Não quero mais que brinque com coisas sérias.
MARGARIDA Não estou brincando mais.
ARMANDO Então, responda…
MARGARIDA O que?
ARMANDO Você quer ser amada?
MARGARIDA Conforme. Por quem?
ARMANDO Por mim.
MARGARIDA E depois?
ARMANDO Com um amor profundo, eterno?
MARGARIDA Eterno?
ARMANDO Eterno.
MARGARIDA E se de repente eu acreditasse, o que ia dizer de mim?
ARMANDO Que é um anjo!
MARGARIDA Não, ia dizer o que todo o mundo diz. Mas que me importa? Como tenho menos tempo de vida que os outros, preciso viver mais depressa. Mas fique tranquilo eterno que seja o seu amor e curta que seja a minha vida, será sempre mais longa do que a sua paixão.
ARMANDO Margarida!
MARGARIDA Mas neste momento está comovido, sua voz é sincera, acredita no que está dizendo. Tudo isso merece uma recompensa… Tome esta flor…
ARMANDO Para que?
MARGARIDA Para que me devolva.
ARMANDO Quando?
MARGARIDA Quando murchar.
ARMANDO E quanto tempo leva para murchar?
MARGARIDA O tempo que leva toda flor: uma tarde, uma manhã.
ARMANDO Ah! Margarida! Como sou feliz !
MARGARIDA Então, diga que gosta de mim, mais uma vez.
ARMANDO Eu te amo!
MARGARIDA E agora, adeus.
ARMANDO (Recuando). Adeus. (Volta, beija-lhe a mão ainda uma vez e sai. Risos nos bastidores).
CENA XIII
(Margarida, Gastão, Saint-Gaudens, Olímpia e Prudência).
MARGARIDA (Margarida sozinha, olhando a porta fechada). Por que não? Para que? E entre essas duas frases minha vida vai e vem.
GASTÃO (Entreabrindo a porta). Coro dos aldeões (Canta).
SAINT-GAUDENS Como está divertido (Dança).
(No fim do ato Prudência põe na cabeça um chapéu de homem e Gastão um chapéu de mulher, etc., etc. …).
ATO II
(Quarto de Margarida. Uma porta ao fundo; à direita uma porta disfarçada, coberta por um Quadro; no primeiro plano, sempre do mesmo lado, uma mesa de “toilette”, estilo Pompadour; à esquerda uma sacada e no primeiro plano, uma lareira; poltronas e cadeiras).
CENA I
(Margarida, Nanine e Prudência).
MARGARIDA O duque?
PRUDÊNCIA Estive.
MARGARIDA E ele deu a você?
PRUDÊNCIA Está aqui. Será que podia me emprestar uns 300 ou 400 francos?
MARGARIDA Pronto. Disse Com ideia do ir para o campo?
PRUDÊNCIA Disse.
MARGARIDA E o que foi que ele achou?
PRUDÊNCIA Que você tem razão, que só lhe pode fazer bem… Vai mesmo?
MARGARIDA Espero que sim… Ainda hoje fui ver a casa.
PRUDÊNCIA Quanto é o aluguel?
MARGARIDA Dois mil francos.
PRUDÊNCIA Amor a quanto obrigas!
MARGARIDA Estou com medo, Prudência; quem sabe é uma paixão? Ou será um capricho? O que eu sei é que é alguma coisa…
PRUDÊNCIA Ele veio ontem?
MARGARIDA Ainda pergunta?
PRUDÊNCIA E volta hoje?
MARGARIDA Deve estar chegando.
PRUDÊNCIA Eu sei muito bem! Ficou lá em casa umas três ou quatro horas…
MARGARIDA E falou em mim?
PRUDÊNCIA Não fez outra coisa.
MARGARIDA O que foi que ele disse?
PRUDÊNCIA Que está louco por você.
MARGARIDA Faz tempo que o conhece?
PRUDÊNCIA Faz.
MARGARIDA Alguma vez já o viu apaixonado?
PRUDÊNCIA Não, nunca.
MARGARIDA Palavra de honra?
PRUDÊNCIA Palavra !
MARGARIDA Se soubesse que coração grande ele tem, como fala na mãe e na irmã!
PRUDÊNCIA É uma pena que os moços como ele não tenham cem mil libras de renda!
MARGARIDA Pelo contrário, é uma sorte! S° assim podem acreditar que é deles mesmo que a gente gosta. (Pega na mão de Prudência e a põe sobre o peito). Está vendo?
PRUDÊNCIA O que?
MARGARIDA Como está batendo, não vê?
PRUDÊNCIA E por que é que está batendo?
MARGARIDA Porque são dez horas e ele vai chegar.
PRUDÊNCIA Já está nesse estado? Vou me pondo ao fresco. Se isso pega é um perigo.
MARGARIDA Vai abrir, Nanine.
NANINE Não bateram.
MARGARIDA Bateram sim.
CENA II
(Prudência e Margarida).
PRUDÊNCIA Minha filha, vou rezar por você!
MARGARIDA Por quê?
PRUDÊNCIA Porque está correndo perigo.
MARGARIDA Quem sabe?
CENA III
(Os mesmos e Armando).
ARMANDO Margarida.
MARGARIDA Eu sabia que ele tinha batido.
PRUDÊNCIA Não me diz boa noite, ingrato?
ARMANDO Perdão, Prudência. Como vai?
PRUDÊNCIA Bem, meus filhos, já estava de saída. Tenho alguém me esperando, lá fora. Até já. (Sai).
CENA IV
(Armando e Margarida).
MARGARIDA Vamos! Venha para perto de mim.
ARMANDO Estou aqui.
MARGARIDA Gosta de mim do mesmo jeito?
MARGARIDA Como?
ARMANDO Gosto mil vezes mais
MARGARIDA Hoje, o que foi que você fez?
ARMANDO Estive com Prudência, Gustavo e Nichette; estive em toda a parte em que se podia falar em Margarida.
MARGARIDA E de noite?
ARMANDO Meu pai escreveu dizendo que estava me esperando em Tours, respondi que não valia a pena ficar à minha espera. Será que estou com jeito de quem vai para Tours?
MARGARIDA No entanto, não deve se indispor com ele .
ARMANDO Não tem perigo. E você o que
MARGARIDA Eu? Pensei em ti.
ARMANDO De verdade?
MARGARIDA De verdade. E fiz muitos projetos.
ARMANDO Fez mesmo?
MARGARIDA Fiz.
ARMANDO Me conte quais.
MARGARIDA Mais tarde!
ARMANDO Por que não agora,
MARGARIDA Porque agora ainda não gosta de mim como é preciso; quando eles se realizarem então eu conto; por enquanto basta saber que é em você que eu andei pensando.
ARMANDO Em mim?
MARGARIDA É, em você, de quem eu gosto tanto.
ARMANDO Vamos, diga o que?
MARGARIDA Para que?
ARMANDO Eu estou pedindo.
MARGARIDA Acha que posso guardar algum segredo de você?
ARMANDO Então diga.
MARGARIDA Eu imaginei um plano.
ARMANDO Que plano?
MARGARIDA Não posso contar; só posso contar o resultado que ele deve ter.
ARMANDO E que resultado deve ter?
MARGARIDA Você gostaria de passar o verão no campo comigo?
ARMANDO Ainda pergunta?
MARGARIDA Bravo! Se o meu plano der certo, e tem que dar, daqui a quinze dias estou livre; não devo mais nada a ninguém e vamos juntos passar o verão no campo.
ARMANDO E não pode me dizer de que jeito?
MARGARIDA Não; mas veja se me pode amar como eu te amo que tudo há de dar certo.
ARMANDO E foi sozinha que descobriu esse plano, Margarida?
MARGARIDA Por que está falando assim comigo?
ARMANDO Responda, Margarida!
MARGARIDA Foi sozinha… sim.
ARMANDO E é sozinha que vai executá-lo?
MARGARIDA (Hesitando). Sozinha.
ARMANDO Você já leu “Manon Lescaut”, Margarida?
MARGARIDA Já, o livro está lá na sala.
ARMANDO O que acha de Des Grieux?
MARGARIDA Por que está perguntando?
ARMANDO Porque uma vez Manon também descobriu um plano, extorquir dinheiro do Sr. B. para gastá-lo com Des Grieux. Você tem mais coração do que ela Margarida e eu mais lealdade do que ele.
MARGARIDA O que quer dizer com isso?
ARMANDO Que se o seu plano é desse gênero, eu não aceito.
MARGARIDA Está certo, Armando, não falamos mais nisso … Que dia lindo fez hoje, não fez?
ARMANDO Fez. Lindo.
MARGARIDA Havia muita gente nos Campos Elíseos?
ARMANDO Muita.
MARGARIDA Decerto o tempo vai ficar firme até a mudança da lua, não é verdade?
ARMANDO Que me importa a lua!
MARGARIDA Então o que quer que eu fale? Quando digo que te amo e te dou prova disso, fica todo empertigado. O melhor mesmo é falar na lua.
ARMANDO O que você quer, Margarida? Tenho ciúme até de seus pensamentos. O que me propôs ainda há pouco…
MARGARIDA Oh! Não torne a falar nisso!
ARMANDO Torno sim, torno a falar… Escute! O que me propôs ainda há pouco ia me deixando louco de alegria; mas o mistério que está envolvendo esse projeto?
MARGARIDA Vamos, veja se consegue raciocinar… você gosta de mim e tinha vontade de passar uns dois ou três meses comigo, num canto qualquer, longe de Paris…
ARMANDO É claro que tinha.
MARGARIDA Pois eu também gosto de você e não quero outra coisa; mas para isso é preciso o que eu não tenho. Você não sente ciúme do duque, não é mesmo? Sabe como é puro o sentimento que ele tem por mim então, me deixe fazer o que eu quero.
ARMANDO É que…
MARGARIDA Vamos, eu te amo, está combinado?
ARMANDO Mas…
MARGARIDA (Interrompendo-o). Está combinado, vamos?
ARMANDO Ainda não.
MARGARIDA Então venha me ver amanhã para resolvermos.
ARMANDO Como, venha me ver amanhã? Está me mandando embora?
MARGARIDA Ai, ai, ai! Lá vem você de novo!
ARMANDO Margarida, você está me enganando!
MARGARIDA Há quanto tempo eu te conheço?
ARMANDO Há quinze dias.
MARGARIDA O que me obrigava te receber?
ARMANDO Nada.
MARGARIDA Se eu não te amasse, tinha o direito de te mandar embora como faço com Varville e os outros, não tinha?
ARMANDO É claro.
MARGARIDA Então, querido, deixa-te amar não te queixes!
ARMANDO Perdão, me perdoe.
MARGARIDA Desse jeito, vou passar a vida te perdoando.
ARMANDO Não, é a última vez. Pronto! Vou me embora.
MARGARIDA É está na hora. Volte amanhã ao meio-dia almoçamos juntos.
ARMANDO Então, até amanhã.
MARGARIDA Até amanhã !
ARMANDO Ao meio-dia !
MARGARIDA Ao meio-dia.
ARMANDO Jura?
MARGARIDA O que?
ARMANDO Que não está esperando ninguém.
MARGARIDA Outra vez! Juro que te amo e a ninguém mais. Não chega?…
ARMANDO Adeus!
MARGARIDA Adeus.
(Armando hesita um pouco e sai).
CENA V
MARGARIDA (Sozinha). Como é estranha vida! Quem diria a oito dias atrás que esse homem que eu nem conhecia, ia se apossar tão depressa do meu coração e pensamento? O que irá acontecerá Para mim um amor de verdade pode ser uma desgraça. Será que ele me ama, será que eu o ama? Nunca me apaixonei por ninguém! Por que sacrificar uma alegria? São tão raras! Por que não se abandonar aos caprichos do coração? Quem sou eu? Uma criatura do acaso! Oh! Deixe pois que o acaso faça de mim o que quiser. Que me importa, parece que nunca me senti tão feliz! Quem sabe é um mau agouro? Estamos prevendo sempre que vão se apaixonar por nós, jamais que vamos nos apaixonar por alguém; e, agora, ao primeiro golpe deste mal imprevisto, não sei o que sou nem onde estou.
CENA VI
(Margarida, Nanine, em seguida, o Conde).
NANINE (Anunciando). O Sr. conde.
MARGARIDA Boa noite, conde…
O CONDE Boa noite, Margarida. Como vai passando?
MARGARIDA Muito bem.
O CONDE Está frio como diabo! Escreveu-me pedindo que viesse às dez e meia… Como está vendo, sou pontual.
MARGARIDA Temos muito que conversar, meu amigo.
O CONDE Já ceou?
MARGARIDA Já, por quê?
O CONDE Porque se não podíamos cear juntos, enquanto conversávamos.
MARGARIDA Está com fome?
O CONDE Nunca me falta apetite para a ceia. Jantei tão mal no clube!
MARGARIDA O que faziam por lá?
O CONDE Quando eu saí, jogavam.
MARGARIDA Saint-Gandens perdia?
O CONDE Uns 25 luíses mas esbravejava como se fossem 1.000 escudos.
MARGARIDA Uma dessas noites ceou aqui com Olímpia.
O CONDE E quem mais?
MARGARIDA Gastão de Rieux.
O CONDE Conheço.
MARGARIDA Armando Duval.
O CONDE Quem é esse Armando Duval?
MARGARIDA Um amigo de Gastão. Prudência e eu aí estão os convivas… Rimos bastante.
O CONDE Se soubesse tinha vindo. Por falar nisso, ia saindo alguém daqui, agora, há pouco, antes de eu chegar?
MARGARIDA Não, ninguém.
O CONDE É que quando eu ia descendo do carro alguém se aproximou como para ver quem eu era e depois disso afastou-se.
MARGARIDA (À parte). Armando? (Toca a campainha) .
O CONDE Está querendo alguma coisa?
MARGARIDA Preciso falar com Nanine. (A Nanine, baixo). Desça, vá até a rua e, sem que ninguém dê por isso, espie se o Sr. Armando Duval está lá e volte me dizer.
NANINE Sim senhora. (Sai).
O CONDE Sabe de uma novidade?
MARGARIDA Não.
O CONDE Gagouki vai casar.
MARGARIDA O nosso príncipe.
O CONDE Em pessoa.
MARGARIDA Com quem?
O CONDE Adivinhe.
MARGARIDA Eu conheço?
O CONDE Com Adélia.
MARGARIDA Que bobagem dela!
O CONDE Dela não, do príncipe.
MARGARIDA Meu caro, quando um rapaz de sociedade casa com uma moça como Adélia, não é ele quem faz uma tolice, é ela quem faz um mau negócio. O tal polonês além de arruinado tem uma reputação, vai casar com Adélia por causa das 15 mil libras de renda que vocês foram lhe dando, uns depois dos outros.
NANINE (Entrando). Não senhora, não está.
MARGARIDA E agora, conde vamos falar de coisas sérias…
O CONDE De coisas sérias? Preferia falar de coisas alegres.
MARGARIDA Mais tarde, se aceitar a coisa alegremente.
O CONDE Sou todo ouvidos.
MARGARIDA Por acaso tem dinheiro disponível?
O CONDE Para que?
MARGARIDA Para uma ordem de pagamento.
O CONDE Anda faltando dinheiro por aqui?
MARGARIDA Infelizmente! Preciso de….. 15.000 francos.
O CONDE Oh diabo! Uma quantia respeitável. E por que precisa de 15.000 francos?
MARGARIDA Porque estou devendo.
CONDE E quer pagar os credores?
MARGARIDA E preciso.
CONDE É preciso mesmo?
MARGARIDA É.
O CONDE Então… está feito.
NANINE Um mensageiro acaba de entregar esta carta dizendo que é urgente.
MARGARIDA Quem pode me escrever a esta hora? (Lendo). Armando! O que significa isto? “Não gosto de fazer papel ridículo, mesmo junto da mulher que eu amo… No momento em que eu saía de sua casa, o conde de Giray entrava… Não tenho nem a idade nem o temperamento de Saint Gauden perdoe-me as culpa que tive, de não ser milionário: e esqueçamos os dois o encontro de um dia e o amor de um instante… Quando receber esta carta já estarei longe de Paris. Armando”!
NANINE Tem resposta?
MARGARIDA Não, diga que está entregue. Pronto lá se foi um belo sonho… Que pena!
O CONDE O que diz a carta?
MARGARIDA Esta carta o fez ganhar 15.00 francos.
O CONDE Ora veja! É a primeira carta que me rende tanto.
MARGARIDA Pois é… não preciso mais ali que estava pedindo.
CONDE São os credores que lhe estão dando quitação? Que amabilidade!
MARGARIDA Não, eu é que estava apaixonada.
O CONDE Margarida Gauthier?
MARGARIDA Em pessoa.
CONDE Por quem, Santo Deus?
MARGARIDA Por um homem que não me queria como acontece às vezes; por um homem sem dinheiro. como acontece sempre.
CONDE Ah! É com amores como esse que pretende se reabilitar dos outros?
MARGARIDA Olhe o que me escreveu. (Dá a carta ao conde).
O CONDE (Rindo). Ora vejam, é o Sr. Duval E ciumento, esse cavalheiro… Agora estou começando a compreender a utilidade das letras de câmbio! Era muito bonito o que ia fazer!
MARGARIDA Você tinha me convidado para cear?
O CONDE Pois o convite está de pé. Você jamais Comerá até 15.000 francos ainda vou sair economizando.
MARGARIDA Então vamos. Preciso tomar um pouco de ar.
O CONDE Parece que a coisa era séria. Está tio agitada!
MARGARIDA Não é nada! (À Nanine). Vá me buscar um xale e um chapéu.
NANINE Qual, minha senhora?
MARGARIDA O chapéu que quiser e um xale leve. (Ao conde). É preciso que nos aceitem como nós somos, meu amigo.
O CONDE Oh! Já estou acostumado com essas coisas.
NANINE A senhora vai sentir frio.
MARGARIDA Não, não vou.
NANINE A senhora quer que a espere?
MARGARIDA Não, vá se deitar, decerto vou chegar tarde… Venha, conde.
CENA VII
(Nanine só).
NANINE Está acontecendo alguma coisa, a patroa está comovida! Decerto foi a carta que chegou há pouco, que a deixou nesse estado… Ah! Está aqui. (Lê). O Sr. Armando não manda dizer… Há quatro dias nomeado, hoje demitido… Viveu o que vivem as rosa… os políticos. Ora! Sra. Duvernoy!
CENA VIII
(Nanine e Prudência).
PRUDÊNCIA Margarida saiu?
NANINE Saiu agora mesmo.
PRUDÊNCIA E onde é que foi?
NANINE Foi cear.
PRUDÊNCIA Com o conde?
NANINE É sim senhora.
PRUDÊNCIA Não sabe se recebeu uma carta, ainda há pouco?
NANINE Recebeu. Do Sr. Armando.
PRUDÊNCIA E o que foi que disse?
NANINE Nada.
PRUDÊNCIA E vai demorar?
NANINE Vai. Pensei que a senhora já estivesse deitada.
PRUDÊNCIA Estava, estava dormindo. Mas me acordaram com a campainha e tive que ir abrir. (Batem).
NANINE Pode entrar.
UM CRIADO A patroa mandou pedir uma capa. Está com frio.
PRUDÊNCIA Ela está lá em baixo?
UM CRIADO Está sim senhora na carruagem.
PRUDÊNCIA Peça-lhe o favor de subir, diga-lhe que eu estou chamando.
UM CRIADO Mas… está acompanhada.
PRUDÊNCIA Não faz mal, vá depressa!
ARMANDO (De fora). Prudência!
PRUDÊNCIA Meu Deus! Agora é o outro que está impaciente! Oh! Namorado ciumento, é tudo a mesma coisa!
ARMANDO Então?
PRUDÊNCIA Que diabo, espere um pouco! Já o chamo já.

CENA IX
(Os mesmos, Margarida).
MARGARIDA O que você quer de mim, Prudência?
PRUDÊNCIA Armando está lá em casa.
MARGARIDA E o que eu tenho com isso?
PRUDÊNCIA Quer falar com você.
MARGARIDA Para que? Não o quero receber… e nem que eu quisesse o conde está lá em baixo me esperando.
PRUDÊNCIA Eu é que não vou dar esse recado. Não pode imaginar em que estado ele está. Ia desafiar o conde, na mesma hora.
MARGARIDA Mas o que é que ele quer?
PRUDÊNCIA Eu sei lá? Ele sabe lá? Nós é que sabemos o que é um homem apaixonado.
NANINE A senhora quer a capa?
MARGARIDA Ainda não.
PRUDÊNCIA Vamos? O que decidiu?
MARGARIDA Esse rapaz ainda vai fazer a minha infelicidade.
PRUDÊNCIA Então não fale mais com ele. E melhor que as coisas fiquem como estão.
MARGARIDA Você acha?
PRUDÊNCIA É claro!
MARGARIDA E o que mais que ele disse?
PRUDÊNCIA Confesse, está com vontade de vê-lo Vou chamá-lo. E o conde?
MARGARIDA O conde que espere.
PRUDÊNCIA Era melhor despedir o conde, já uma vez.
MARGARIDA Tem razão… Nanine, desça diga ao Sr. de Giray que estou me sentindo mal, e que não vou mais cear ele que me desculpe.
NANINE Sim, senhora.
PRUDÊNCIA (Na janela). Armando, pode vir! Ah! Não será preciso dizer duas vezes…
MARGARIDA Não vá embora, fique aqui.
PRUDÊNCIA Eu não… Prefiro ir por mim do que esperar que me mandem…
NANINE (Entrando). O Sr. conde já foi.
MARGARIDA E não disse nada?
NANINE Não senhora, mas estava com uma cara!
CENA X
(Margarida e Armando).
ARMANDO (Indo se ajoelhar aos pés de Margarida). Margarida!
MARGARIDA O que você quer?
ARMANDO Quero que me perdoe.
MARGARIDA Você não merece! (Movimento de Armando). Está certo que tenha ciúme e me escreva uma carta irritada…. mas nunca uma carta ironiza e impertinente… Você me magoou demais, Armando.
ARMANDO E você, Margarida, pensa que também não me magoou?
MARGARIDA Mas eu, não foi por mal.
ARMANDO Quando vi o conde chegar, quando percebi que era por causa dele que me despedia fiquei como um louco, perdi a cabeça e escrevi aquela carta. E quando, em vez da resposta que eu esperava, em vez de desculpas, você mandou dizer, secamente, que a carta estava entregue, e que não tinha resposta, não aguentei mais… Pensei no que seria de mim se nunca mais te visse. E o mundo ficou vazio de repente… porque se eu te conheço há poucos dias, Margarida, há dois anos que eu te amo…
MARGARIDA Escute! Acho que tomou uma boa resolução, meu amigo.
ARMANDO Qual?
MARGARIDA De partir. Não foi o que escreveu?
ARMANDO Acha que seria possível?
MARGARIDA É preciso que seja.
ARMANDO É preciso?
MARGARIDA É Não só por você como por mim, também. Minha condição me impõe que não o veja e tudo me impede de amá-lo.
ARMANDO Então gosta um pouco de mim, Margarida?
MARGARIDA Gostei.
ARMANDO E agora?
MARGARIDA Agora pensei melhor e vi que era impossível o que eu desejava.
ARMANDO Aliás se gostasse de mim não teria recebido o conde, esta noite.
MARGARIDA Por tudo isso é que mais vale ficar onde estamos. Sou jovem, sou bonita, sou uma boa moça. Você, um rapaz sensato; devia ter visto em mim o que há de bom, deixar o que não presta e ignorar o resto.
ARMANDO Não era assim que me falava ainda há pouco, Margarida, fazendo-me entrever os meses que eu ia passar só com você, longe de Paris, longe do mundo. Eu caí dessa esperança na realidade por isso é que sofri.
MARGARIDA É verdade… e eu ainda fui mais longe… disse assim comigo: acho que um pouco de descanso me faria bem; ele está preocupado com a minha saúde se houvesse um jeito de passar com ele um verão tranquilo, em algum lugar no campo, no meio de algum bosque, ao menos seria uma compensação para os dias ruins… No fim de… três ou quatro meses tínhamos voltado para Paris, dado um bom aperto de mão e transformado em amizade o restos do nosso amor. Porque o amor que costumam sentir por mim, por mais violento que seja nem sempre pode vir a ser uma amizade. Mas você não quis; seu coração é um senhor altivo que nada aceita… não se fala mais nisso… Me conhece há quatro dias, ceou uma noite aqui em casa, me mande uma Jota com o seu cartão estamos quites.
ARMANDO Está louca, eu te amo, Margarida! E isso não quer dizer que é bonita e que ia me atrair por uns quatro meses; mas que é toda a minha esperança, todo o meu pensamento, toda a minha vida. Eu te amo! Que mais te posso dizer.
MARGARIDA Então, mais uma razão é melhor nos separarmos desde já.
ARMANDO Naturalmente, porque você não gosta de mim.
MARGARIDA Porque eu… você não sabe o que esta dizendo!
ARMANDO Por que então?
MARGARIDA Por quê? Você quer saber? Porque há momentos que eu não quero interromper o sonho começado; porque há dias em que me sinto fatigada dessa vida que levo; porque no meio de nossa existência ruidosa, a cabeça, a vaidade, os sentidos vivem… mas o coração aperta e como não pode se expandir, sufoca. Parece que somos felizes e nos invejam. De fato, temos amantes que se arruínam, não por nossa causa, como dizem, mas por causa de sua vaidade… Somos as primeiras no seu amor próprio e as últimas na sua estima. E temos amigos, como Prudência, cuja amizade vai até o servilismo, jamais até o desinteresse. Pouco se importam com o que fazemos, contanto que frequentem o nosso camarote ou se pavoneiem em nossas carruagens. É assim à nossa volta, vaidade, vergonha, mentira… Por isso, às vezes; eu sonhava, sem dizer nada a ninguém, encontrar um homem que fosse capaz de não me pedir satisfação e quisesse ser o amante de minhas emoções… Esse homem, pensei tê-lo encontrado no duque, mas a velhice não é proteção nem é consolo e meu coração tem outras exigências. Então eu te conheci moço, ardente, feliz; as lágrimas que te vi derramar por minha causa, o interesse que te vi demonstrar por minha saúde, as visitas misteriosas enquanto estive doente, a franqueza, o entusiasmo, tudo isso fez com que eu te tomasse por aquele a quem vivia chamando, do fundo de minha ruidosa solidão. De repente, desatinada, construí o meu futuro sobre o seu amor e me pus a Sonhar com o campo e as coisas simples, a lembrar de meu tempo de criança porque aconteça o que acontecer, nada apaga da memória a criança que um dia fomos. Estava querendo o impossível; uma frase sua me fez cair em mim tudo, agora já sabe!
ARMANDO E pensa que depois do que me disse. Você quis saber de eu vou deixá-la? Depois de ter ouvido o que eu ouvi? Quando a felicidade me abre os braços, vou lhe voltar às costas? Não, Margarida, nunca; seu sonho vali-se realizar, juro. Não falemos mais nisso, nós somos moços, gostamos um do outro sigamos o nosso amor.
MARGARIDA Não me engane, Armando; sabe que uma emoção violenta pode me matar; lembre já de quem eu sou e do que sou.
ARMANDO É um anjo, eu te amo!
NANINE (Batendo). Senhora.
MARGARIDA O que é?
NANINE Acabam de entregar uma carta.
MARGARIDA Hoje é a noite das cartas! De quem?
NANINE Do Sr. conde.
MARGARIDA Estão esperando a resposta?
NANINE Estão, sim senhora.
MARGARIDA Viva! Diga que está entregue.
ATO III
(Auteuil, um quarto ao rés do chão. No fundo, diante do espectador, uma lareira. De cada lado uma porta envidraçada, dando para um jardim. À direita, no primeiro plano, uma porta Mesas e cadeira).
CENA I
(Nanine, levando uma bandeja de chá, depois do almoço, Prudência).
PRUDÊNCIA Que é de Margarida?
NANINE Está no jardim com dona Nichette e o Sr. Gustavo que vieram passar o dia aqui. Acabaram de almoçar.
PRUDÊNCIA Então vou até lá.
ARMANDO (Entrando, enquanto Nanine sai). Ah ! E você Prudência? Tenho uma coisa muito séria para lhe falar. Há quinze dias você saiu daqui no carro de Margarida, não foi?
PRUDÊNCIA Foi !
ARMANDO Desde então nem o carro, nem os cavalos tornaram a aparecer. Há oito dias, na hora da despedida, você se queixou de frio e Margarida lhe emprestou uma capa, que você não devolveu Ontem, afinal, entregou-lhe uns braceletes e uns diamantes, diz ela que para o conserto. Onde estão os cavalos, a carruagem, a capa, os diamantes?
PRUDÊNCIA Quer que eu seja franca?
ARMANDO É um favor.
PRUDÊNCIA Os cavalos foram devolvidos ao negociante, pois foram comprados a crédito.
ARMANDO A capa?
PRUDÊNCIA Vendida.
ARMANDO Os diamante?
PRUDÊNCIA Empenhados. Estou com as cautelas aqui.
ARMANDO E por que não me disse nada?
PRUDÊNCIA Porque Margarida não quis.
ARMANDO E por que essas vendas e esses penhores?
PRUDÊNCIA Para as despesas! Pensa, meu caro, que basta amar para ir viver fora de Paris, uma vida pastoril e etérea? Está muito enganado ! Ao lado da poesia existe a triste realidade. As melhores resoluções estão presas à terra por laços ridículos’ mas de ferro e que não rompemos assim facilmente. Acabo de estar com o duque, pois queria ver se era possível evitar tantos sacrifícios, mas o duque não quer fazer mais nada por Margarida, a menos que ela abandone você, e sabemos muito bem que disso ela nem tem vontade.
ARMANDO Como ela é boa!
PRUDÊNCIA Boa, mesmo, boa demais, pois sabe Deus como vai acabar tudo isso? E não pense que vai ficar só nisso, não. Quer vender tudo, tudo, para pagar o que ainda está devendo. Tenho aqui no bolso um projeto de venda, que o corretor me acaba de entregar.
ARMANDO Quanto será preciso?
PRUDÊNCIA Trinta mil francos, no mínimo.
ARMANDO Peça um prazo de quinze dias aos credores. Em quinze dias eu pagarei tudo.
PRUDÊNCIA Vai pedir emprestado?
ARMANDO Vou.
PRUDÊNCIA Muito bonito! É o mesmo que brigar com seu pai e ficar sem um vintém.
ARMANDO Estava prevendo isso; escrevi a meu tabelião, dizendo que pretendia doar a alguém o que herdei de minha mãe e acabo de receber a resposta; o documento já está pronto, só falta preencher algumas formalidades ainda hoje devo ir a Paris assinar os papéis. Enquanto isso, não deixe que Margarida faça o que está querendo fazer.
PRUDÊNCIA Mas e os papéis que estão aqui comigo?
ARMANDO Quando eu tiver saído, entregue tudo a ela, como se eu não soubesse de nada. É preciso que ignore nossa conversa. Aí vem ela.
CENA II
(Margarida, Nichette, Gustavo, Armando e Prudência).
MARGARIDA (Entrando põe um dedo nos lábios, fazendo sinal à Prudência para se calar).
ARMANDO (À Margarida). Querida, ralhe, com Prudência!
MARGARIDA Por quê?
ARMANDO Ontem pedi a ela que passasse lá em casa para trazer as cartas que encontrasse, pois há quinze dias que o vou a Paris. A primeira coisa que ela fez foi se esquecer. E agora sou obrigado a te deixar por uma ou duas horas. Faz um mês que não escrevo a meu pai, ninguém sabe onde estou, nem mesmo meu criado, pois eu queria evitar os importunos. O dia está bonito, Nichette e Gustavo estão aqui te fazendo companhia; vou pegar um carro e dar um pulo até lá em casa. Não demoro.
MARGARIDA Vá, querido, vá; mas se não escreveu a seu pai não foi por minha culpa quantas vezes te disse para escrever. Volte depressa. Vamos esperá-lo aqui proseando e passeando Gustavo, Nichette e eu.
ARMANDO Em uma hora estou de volta. (Margarida o acompanha até a porta; voltando diz a Prudência).
MARGARIDA Está tudo arranjado?
PRUDÊNCIA Está.
MARGARIDA E os papéis?
PRUDÊNCIA Estão aqui. O corretor deve vir falar com você hoje, sem falta. Eu vou almoçar, que estou morrendo de fome.
MARGARIDA Vá. Nanine arranja tudo o que você quiser.

CENA III
(Os mesmos, menos Ar mando e Prudência) .
MARGARIDA (À Nichette). Estão vendo, é assim que nós vivemos há três meses.
NICHETTE E você é feliz?
MARGARIDA Se sou!
NICHETTE Bem que eu dizia, Margarida, que a verdadeira felicidade está no sossego e na paz do coração. Quantas vezes; eu e Gustavo comentamos —”Quando será que Margarida vai gostar de alguém e levar uma vida mais tranquila!”
MARGARIDA Pois é! O seu desejo se realizou, estou apaixonada e estou feliz; fiquei com inveja do amor de vocês dois.
GUSTAVO O fato é que nós somos felizes, não já mesmo Nichette?
NICHETTE Acho que somos e não fica assim tão caro. Você é uma grande dama, Margarida e nunca foi nos visitar; mas se fosse também havia de querer viver como nós dois. Está pensando que a vida que leva aqui é simples imagine se visse os nossos dois quartinhos no 5.° andar… As janelas dão para um jardim onde os donos nem aparecem! Como pode haver gente que não aproveita o seu jardim?
GUSTAVO Parecemos um romance alemão ou um idílio de Goethe, com música de Schubert.
NICHETTE Não comece com brincadeira, só porque Margarida está presente. Quando estamos sós você não brinca, é meigo como um cordeiro e terno como um pombinho. Imagine, queria que nos mudássemos! Acha que nossa vida é modesta demais.
GUSTAVO Não, acho que nossa casa é que é alta demais.
NICHETTE Pois, não saia na rua, assim nem se lembra em que andar ela fica.
MARGARIDA Vocês dois são uns encantos.
NICHETTE Com o pretexto de ter 6.000 libras de renda, não quer mais que eu trabalhe. Um desse dias vai querer me comprar uma carruagem…
GUSTAVO Mais dia menos dia, quem sabe?
NICHETTE Tem tempo. Primeiro é preciso que seu tio me olhe com outros olhos. E que faça de você seu herdeiro e de mim sua sobrinha.
GUSTAVO Ele já está começando a voltar atrás.
MARGARIDA Então é porque não conhece Nichette! Se a conhecesse ficaria louco por ela.
NICHETTE Não, o senhor seu tio nunca me quis ver. Ainda é daquele gênero de tios que pensam que as “grisettes” foram feitas para arruinar os sobrinhos; queria que Gustavo se casasse com uma moça de sociedade. E eu, o que sou, então? Será que eu não sou da sociedade?
GUSTAVO Ele ainda vai se humanizar… Aliás, desde que me formei está mais indulgente.
NICHETTE Pois é! Tinha me esquecido de contar Gustavo já é advogado, minha cara.
MARGARIDA Vou-lhe confiar a minha própria causa.
NICHETTE Já fez uma defesa, eu estava na audiência.
MARGARIDA E ganhou?
GUSTAVO Perdi em cheio, meu cliente foi condenado a 10 anos de trabalhos forçados.
NICHETTE Felizmente.
MARGARIDA Por que felizmente?
NICHETTE Porque o homem era um refinado tratante! Que profissão engraçada é a advocacia! O advogado é um grande homem na medida em que pode dizer: Eu tinha em minhas mãos um celerado, que havia morto o pai, a mãe e os filhos. Pois bem! Tenho tanto talento que consegui absolvê-lo e devolver à sociedade esse belo ornamento.
MARGARIDA Então, agora que é advogado. logo iremos à boda…
GUSTAVO Se eu me casar.
NICHETTE Como, se o senhor se casar? Pois espero que se case, e comigo, ainda! Onde iria arranjar uma esposa melhor e que o quisesse mais?
MARGARIDA Então, para quando é?
NICHETTE Para logo.
MARGARIDA Você tem sorte, Nichette.
NICHETTE Será que você também não vai acabar como nós?
MARGARIDA Me casando? Com quem?
NICHETTE Com Armando.
MARGARIDA Armando! Ele deve gostar de mim, mas não se casará comigo. Quero tomar lhe o coração, nunca hei de lhe tomar o nome. Há coisas que uma mulher não apaga de sua vida, Nichette, e que dariam ao marido o direito de censurá-la. Se eu quisesse casar com Armando, amanhã mesmo ele se casava comigo. Mas eu gosto demais dele, para o obrigar a tanto. Pergunte a Gustavo se eu não tenho razão.
GUSTAVO Você é uma moça de bem, Margarida.
MARGARIDA Não; mas penso como um homem de bem. Nunca imaginei que pudesse ser tão feliz. Agradeço a Deus por isso e não quero tentar a Previdência.
NICHETTE Gustavo está dizendo isso, mas aposto que se estivesse no lugar de Armando casava com você, não é mesmo, Gustavo?
GUSTAVO E bem possível. Aliás, a inocência das mulheres pertence ao primeiro amor e não ao primeiro amante.
NICHETTE A não ser que o primeiro amante seja, ao mesmo tempo, o primeiro amor. Eu sei de um exemplo.
GUSTAVO E bem perto, não é mesmo?
NICHETTE Enfim, se você é feliz, o resto não importa.
MARGARIDA Sou sim. E no entanto, quem diria que Margarida Gauthier ainda iria viver absorvida no amor de um homem, sentada ao seu lado hora a fio, trabalhando, lendo e escutando?
NICHETTE Como nós.
MARGARIDA A vocês dois eu posso falar francamente. Sei que acreditam em mim porque é com o coração que me ouvem. Há momentos em que me esqueço do que fui; em que a mulher de outros tem pois se destaca de tal forma da mulher de hoje, que são duas pessoas que eu vejo e a segunda, apenas 8 custo se lembra da primeira. Estranha aos maus próprios olhos, estranha aos olhos dos outros! Quando vestida de branco, um grande chapéu de palha na cabeça, a peliça no braço por causa da frescura da água, subo com Armando no barco, deixando-o ir ao sabor da corrente e parar, sozinho, sob os salgueiros da ilha mais próxima, quem diria que essa sombra branca é Margarida Gauthier? Já fiz gastarem em flores mais dinheiro do que seria preciso para sustentar uma família durante um ano agora uma só flor que Armando me deu esta manhã, basta para perfumar todo o meu dia. Vocês sabem o que é o amor, como as horas correm ligeiras, levando-nos sem atropelo e sem fadiga, ao fim das semanas e dos meses. Oh! Como eu sou feliz Mas ainda quero ser mais… pois não lhes contei tudo…
NICHETTE O que?
MARGARIDA Ainda há pouco estavam dizendo que eu não vivia como vocês logo não dirão mais isso.
NICHETTE Como?
MARGARIDA Sem que Armando perceba vou vender tudo o que tenho em minha casa em Paris. Não quero mais voltar para lá. Vou lá. Vou pagar todas as dívidas, alugar um apartamento perto de vocês, mobiliá-lo modestamente, viveremos assim, esquecendo e esquecidos. No verão havemos de voltar para o campo, mas para uma casinha modesta. Há quem pergunte o que é a felicidade vocês me ensinaram e agora eu também posso ensinar aos outros.
NANINE Está aí um senhor perguntando pela patroa.
MARGARIDA (À Nichette). Decerto é o corretor. Vão me esperar no jardim, eu não demoro. Volto com vocês para Paris, assim liquidamos tudo juntos. (À Nanine). Faça-o entrar. (Faz um último sinal à Nichette e a Gustavo que saem; dirigir-se à porta pela qual entra o personagem anunciado).

Continuar a ler A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho

Vestibular1

O melhor site para o Enem e de Vestibular é o Vestibular1. Revisão de matérias de qualidade e dicas de estudos especiais para você aproveitar o melhor da vida estudantil. Todo apoio que você precisa em um só lugar!

Deixe uma resposta