Menu fechado
Revisão de História: A Pré-história 2 Por Vestibular1

Revisão de História: A Pré-história 2

 

História: A Pré-história 2

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: A Pré-história 2

 

Revisão de História: A Pré-história 2

 

História: A Pré-história 2: As origens dos Neandertais

Essas formas de transição teriam dado origem, com certeza na áfrica e talvez no Oriente Médio e Extremo Oriente, ao Homo sapiens sapiens, ou seja, aos humanos anatomicamente modernos. Seus remanescentes ósseos mais antigos, encontrados no sul da áfrica e em Israel, estão datados em torno de 100 mil anos. A aceitação dos estudos do ADN mitocondrial de populações atuais, como evidência da origem do Homo sapiens sapiens há cerca de 200 mil anos, ainda é controversa.

Entre os paleoantropólogos há um consenso quase total de que as formas de transição sucedâneas ao Homo erectus que chegaram à Europa (provavelmente vindas da áfrica via Oriente Médio) originaram, nesse continente, outro grupo de sapiens: o Homo sapiens neanderthalensis. Os fósseis mais antigos atribuídos aos Neandertais são europeus, datados por volta de 130 mil anos.
Embora suas origens remontem ao penúltimo interglacial (entre 125 mil e 75 mil anos atrás), os Neandertais apresentaram máxima expansão territorial durante o último período glacial, que teve início há cerca de 75 mil anos. Chegaram ao Oriente Médio, adentraram a Ásia até a Ucrânia e Uzbequistão, mas jamais atingiram o Extremo Oriente ou a áfrica.

Embora o quadro acima esteja relativamente claro para os especialistas, ainda se debate a possibilidade de se esclarecer mais precisamente as raízes da morfologia Neandertal na Europa do Pleistoceno Médio. A dificuldade da tarefa gira em torno de dois problemas: primeiro, a amostra de fósseis humanos europeus, do período entre 500 mil e 70 mil anos, é pequena; segundo, as datas disponíveis para esses fósseis já escassos são pouco confiáveis, porque a maioria deles foi descoberta ainda durante uma fase pré-científica da paleoantropologia, quando os registros estratigráficos eram precários.

Os fósseis em questão podem ser sumariamente classificados no que denominaríamos arcaicos generalizados e arcaicos proto-neandertais. Os primeiros não apresentam qualquer característica exclusiva dos Neandertais e seriam ancestrais em potencial tanto do Homo sapiens neanderthalensis quanto do Homo sapiens sapiens. O segundo grupo já apresenta, ainda que modestamente, alguns caracteres que mais tarde definirão a morfologia Neandertal; seus melhores representantes seriam os fósseis de Swanscombe, na Inglaterra, e Steinheim, na Alemanha.

Esses possíveis ancestrais diretos dos Neandertais estão datados precariamente, mas não ultrapassam a marca dos 300 mil anos. Em recente artigo da revista Nature,* Juan-Luis Arsuaga e colaboradores apresentam suas descobertas de 1992, no sítio de Sima de los Huesos (Cova dos Ossos), localizado na serra de Atapuerca, norte da Espanha. Comentado por Chris Stringer,** na mesma edição da revista, o achado poderá alterar significativamente nossa compreensão sobre a evolução hominídea durante o Pleistoceno Médio europeu, sobretudo no que se refere à origem dos Neandertais.

Restos de 24 hominídeos foram encontrados nas escavações de Sima de los Huesos até o momento. A análise morfológica de três crânios bem preservados, dois adultos e um juvenil, não deixa dúvidas a respeito da relação entre essa população e os Neandertais. Mas a grande novidade é a antiguidade inequívoca da amostra: mais de 300 mil anos.

Dito de outra forma, as descobertas de Atapuerca mostram que as raízes da morfologia Neandertal podem ser muito mais antigas do que imaginávamos até agora. Além disso, como foram encontrados restos de vários indivíduos de idades e sexos diferentes, pela primeira vez foi possível avaliar a variabilidade morfológica individual dentro de uma mesma população de hominídeos do Pleistoceno Médio. E é imensa, para dizer o mínimo. Basta salientar que um dos crânios adultos apresenta uma capacidade craniana de 1.125 centímetros cúbicos, ao passo que o outro alcança 1.390.

A grande variabilidade morfológica da população encontrada em Atapuerca pode demonstrar que a variabilidade do conjunto de fósseis europeus do período não reflete a existência de várias linhagens evolutivas, mas sim a história de uma única linhagem altamente polimórfica.

Voltar a estudar com Revisão de História: A Pré-história – parte UM

No momento, a palavra de ordem é pegar firme na revisão de matérias, visite as seções de Vestibular e de Enem elas podem te ajudar a complementar o estudo e revisão das disciplinas na internet!

Revisão de História: A Pré-história 2

Publicado em:História,Matérias,Revisão Online

Você pode gostar também