Menu fechado
História: Colapso do Socialismo Vestibular1

Revisão de História: Colapso do Socialismo

 

História: Colapso do Socialismo

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: Colapso do Socialismo

Revisão de História: Colapso do Socialismo

 

Colapso do Socialismo

A URSS, ao manter um conjunto de países à sua órbita e juntá-los num bloco comum, estabeleceu as bases de defesa do mundo socialista (por meio do Pacto de Varsóvia) e definiu os princípios das relações econômicas. Conseguiu prolongar o ciclo de crescimento econômico que já se mostrava vigoroso desde a década de 30.

Em 1949 foi criado, sob a liderança soviética, o Comecom (Conselho de Assistência Econômica Mútua), que definiu as regras do comércio internacional no conjunto dos países socialistas. Boa parte das decisões no interior desse organismo, como preço e cotas das mercadorias comercializadas, privilegiou a URSS.

A influência que os soviéticos conquistaram no Leste europeu ampliou suas possibilidades de crescimento. A garantia de defesa, fornecida aos governos que se alinharam em torno de URSS, teve o seu custo monetário, cujos valores eram destinados à manutenção das tropas soviéticas e ao desenvolvimento da indústria de armamentos, vital no tempo da Guerra Fria.
Nesse contexto, a indústria de base fundamental à produção de armas, manteve-se norteadora do modelo industrial, como sempre o fora, desde o primeiro plano implantado em 1928.

No entanto, no final da década de 60, os automóveis, os eletroeletrônicos, os computadores e outros bens de consumo duráveis, além de máquinas e equipamentos industriais tecnologicamente avançados, passaram a ser os setores mais importantes na produção industrial e no comércio internacional.

O modelo unilateral do industrialismo soviético, apoiado pelo tripé: indústrias de base, de armas e aeroespacial, não acompanhou o mesmo ritmo de desenvolvimento tecnológico de outros setores nos países de economia capitalista avançada.

É evidente que o avanço tecnológico das indústrias aeroespacial e bélica foi significativo, porém não colocava produtos nas prateleiras para a população. A URSS vivia um paradoxo de lançar no espaço o primeiro satélite artificial (Sputnik), fabricar satélites espiões, fabricar mísseis de alta precisão, ao mesmo tempo em que não desenvolvia uma indústria automobilística com tecnologia própria, não fabricava uma televisão com uma boa sintonia de canais e até mesmo uma simples enceradeira que funcionasse perfeitamente.

O modelo de economia estatal e planificada apresentava limitações na sua própria essência. O socialismo, ao transferir todos os meios de produção para a gerência do Estado, não estimulou o desenvolvimento técnico dos setores que considerava secundários.

O Estado definia no plano o que seria produzido pelas empresas, quais comprariam o produto e em que quantidade, e estabelecia o preço. Obrigadas a cumprir as metas de produção e de produtividade traçadas pelos planejadores estatais, as empresas compravam de um único fornecedor as mercadorias ou matérias-primas, independente de sua qualidade.

Na agricultura, tratores e máquinas agrícolas que não raramente saiam das fábricas com problemas de funcionamento tinham de ser desmontados e consertados pelos próprios agricultores.

O planejamento estatal não promoveu a melhoria de qualidade dos produtos que não considerava estratégicos e muitos dos produtos, cuja produção era por ele determinada, não atendiam às necessidades da população. O plano, ao se auto designar ciência. viu-se totalmente deslocado dos problemas e das ansiedades da sociedade real. Calculava-se tudo, da quantidade de carros funerários e sepulturas ao número de romances que poderiam ser produzidos.

Em alguns momentos, os próprios planejadores descobriram que a “racionalidade” resultava em total desperdício. Descobriu-se, por exemplo, que cargas inteiras de trem viajavam milhares de quilômetros inutilmente, apenas porque o plano estabelecia, às ferrovias, as quantidades de mercadorias que deveriam ser transportadas e a quilometragem do deslocamento.
A ilusão da cientificidade do plano gerou uma economia confusa. O planejamento que deveria ser colocado em prática, em beneficio do plano.

Mudanças no leste europeu
A partir de 1985, o governo Gorbatchev promoveu uma alteração radical na estrutura da sociedade soviética. Implantou a Perestroica, uma reformulação da economia que tinha como princípio a reorganização de todo o sistema de produção e de propriedade, além da introdução de mecanismos de mercado.

Para vencer a resistência da cúpula do Partido Comunista, as reformas dependiam de um amplo apoio popular que as legitimasse. Para tanto, foi imprescindível a implantação da glasnost, conjunto de reformas democráticas que permitiram a liberdade de expressão e de manifestação contida por mais de um século pelo regime socialista e pela ditadura czarista que o antecedeu.

A política de austeridade e de redução dos gastos públicos fez com que Gorbatchev promovesse junto ao governo dos Estados Unidos, uma série de acordos de desarmamento, com o objetivo de frear a corrida armamentista.

Os efeitos das transformações na URSS, no final da década de 80, atingiram todo o Leste europeu, provocando a queda dos governos socialista, a democratização das instituições e o estabelecimento de eleições livres e diretas.

Envolvido com os problemas internos da sociedade soviética, com a necessidade implantação de uma política dirigida a transformações radicais, e lutando com a oposição da ala mais conservadora do Partido Comunista, Gorbatchev sinalizou que a URSS não mais interferiria na política do Leste europeu e entregou à região a resolução de seu próprio destino.

O desmoronamento da economia socialista teve efeitos profundos no mapa da Europa. Em 1989 a Hungria retirou a cerca de arame farpado que havia em sua fronteira com a Áustria. Os húngaros deram os passos iniciais, no Leste europeu, em direção à privatização e à economia de mercado.

As novas fronteiras
O ano de 1991 marcou o fim da URSS. As 15 repúblicas socialistas que a constituíam transformaram-se em 15 nações independentes. Doze delas associaram-se a uma entidade supranacional mais ampla, a CEI (Comunidade dos Estados Independentes) cujo limite de atuação e de integração entre os países, até hoje, não ficou bem definido.

Letônia, Estônia e Lituânia reconquistaram sua independência e não aderiram à CEI. Com o desmembramento da Tcheco-eslováquia, surgiram a República Theca e a Eslováquia.

A Iugoslávia foi totalmente esfacelada e a situação dos novos países ainda está indefinida. Formada por várias nacionalidades e culturas distintas, a região da península Balcânica sempre foi objeto de disputas.

A sua ocupação pelo Império Turco-otomano no foral do século XV foi contestada pela Áustria e por Veneza. No final do século XIX, a maior parte do território iugoslavo caiu sob o Império Austro-húngaro, Bósnia-Herzegovina, Voivodia, Eslovênia e Croácia, enquanto a Sérvia e Montenegro conquistaram autonomia com a expulsão dos turcos da península Balcânica.

No início do século XX, a Sérvia incorporou ao seu território duas outras províncias balcânicas Kosovo e Macedônia.

Leia na sequência:
A ordem internacional bipolar
Processo de desenvolvimento do Capitalismo
Sistema socialista
Início da Guerra Fria
A nova ordem mundial

Revisão de História: Colapso do Socialismo

Publicado em:História,Matérias,Revisão Online

Você pode gostar também