Menu fechado
Crise no sistema Feudal Vestibular1

Revisão de História: Crise no sistema Feudal

 

História: Crise no sistema Feudal

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: Crise no sistema Feudal

Revisão de História: Crise no sistema Feudal

 

Crise no sistema Feudal

No século XIV, na Europa Ocidental, a população vivia dentro de determinadas características que vinham sendo construídas desde o século III, e às quais denominamos feudalismo. As relações de produção se baseavam no trabalho servil prestado fundamentalmente nas terras dos “senhores feudais”: os nobres e os elementos da lata hierarquia da Igreja Católica.

O crescimento da população, verificando entre os séculos XI e XIV, foi extraordinário. Os nobres aumentaram em número de consumo: isso determinava a necessidade de aumentar suas rendas e para consegui-lo, aumentou-se grandemente o grau de exploração da massa camponesa.

Esta superexploração produziu protestos dos servos, consubstanciados em numerosas revoltas e fugas para as cidades. A repressão a esses movimentos foi enorme, mas a nobreza e o alto clero tiveram razões para temer por sua sobrevivência.

Paralelamente, importantes alterações do quadro natural provocaram sérias consequências. Durante o século XIII ocorreram uma expansão das áreas agrícolas, devido ao aproveitamento das áreas de pastagens e a derrubada de florestas. O desmatamento provocou alterações climáticas e chuvas torrenciais e contínuas, enquanto o aproveitamento da área de pastagem levou a uma diminuição do adubo animal, o que refletira na baixa produtividade agrícola.

Com as péssimas colheitas que se verificaram, ocorreu uma alta de preços dos produtos agrícolas. Os europeus passaram a conviver com a fome. Os índices de mortalidade aumentaram sensivelmente e, o século XIV, uma população debilitada pela fome teve que enfrentar uma epidemia de extrema gravidade: a Peste Negra, que chegou a dizimar cerca de 1/3 dos habitantes da Europa.

Dificuldades econômicas de toda ordem assolavam a Europa, que passou a conviver com outro problema: o esgotamento das fontes de minérios preciosos, necessários para a cunhagem de moedas, levando os reis a constantes desvalorizações da moeda. Isso só fazia agravar a crise.

No plano social ao lado dos problemas já levantados, importa verificar o crescimento de um novo grupo: a burguesia comercial, residente em cidades que tendiam para uma expansão cada vez maior, pois passaram a atrair os camponeses e os elementos “marginais” da sociedade feudal.

Politicamente, a crise que se traduz pelo fortalecimento da autoridade real, considerado necessário pela nobreza, temerosa do alcance das revoltas camponesas. A unificação política, ou surgimento dos Estados Nacionais, aparece desta forma, como uma solução política para a nobreza manter sua denominação.

Finalmente, a crise se manifesta também no plano espiritual-religioso. Tantas desgraças afetaram profundamente as mentes dos homens europeus, traduzindo-se em novas necessidades espirituais (uma nova concepção do homem e do mundo) e religiosas (a Igreja Católica não conseguia atingir tão facilmente os fiéis, necessitados de uma teologia mais dinâmica).

Esta crise é o ponto de partida para se compreender o processo de transição do Feudalismo ao capitalismo.

Revisão de História: Crise no sistema Feudal

Publicado em:História,Matérias,Revisão Online

Você pode gostar também