Fatos do Descobrimento do Brasil 3 - Vestibular1

Fatos do Descobrimento do Brasil 3

Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil 3

 

História: Fatos do Descobrimento do Brasil 3

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: Fatos do Descobrimento do Brasil 3

 

Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil 3

 

Fatos do Descobrimento do Brasil: O Descobrimento da América

Em 2 de janeiro de 1492, Granada, último reduto mouro na Espanha, rendeu-se aos cristãos, encerrando a Guerra de Reconquista. Imediatamente, a rainha Isabel de Castela e Leão e seu esposo Fernando de Aragão deram início à expansão marítima espanhola.
Como Portugal vinha explorando a costa da África havia muito tempo, visando contorná-la para chegar ao Oriente, aos soberanos espanhóis só restou o projeto do genovês Cristóvão Colombo no sentido de tentar uma rota na direção oeste, partindo do princípio (ainda não comprovado) da esfericidade terrestre.

Quando descobriu a América, em 12 de outubro de 1492, Colombo não se apercebeu de que chegara a um novo continente, desconhecido dos europeus (os vikings haviam atingido a América do Norte no ano 1000, mas a lembrança desse feito se perdera até para eles próprios).
Apesar de ter realizado mais três viagens à América, o genovês morreu aferrado à ideia de que chegara ao Extremo Oriente, bastando apenas um esforço adicional para os espanhóis entrarem em contato com Catai (China) e Cipango (Japão).

 

Fatos do Descobrimento do Brasil: O Tratado de Tordesilhas

O regresso de Colombo à Espanha, levando consigo alguns nativos das terras que descobrira (desde então denominados índios) abalou os portugueses, pois estes ainda não haviam alcançado as Índias pela rota africana. O rei D. João II logo procurou acertar com os soberanos espanhóis uma divisão das “terras descobertas e por se descobrirem”.
Solicitado como mediador, o papa Alexandre VI – aliás, de origem espanhola – expediu uma bula (documento papal) cujo texto, em latim, começava com as palavras Inter Coetera (“Entre as outras coisas…”). A decisão do papa, datada de 4 de maio de 1493, atribuía à Espanha todos os territórios a oeste de um meridiano situado a 100 léguas (1 légua = 6 quilômetros) do Arquipélago de Cabo Verde, localizado não longe da costa africana.

D. João II recusou-se a acatar o parecer do Sumo Pontífice, pois era óbvio que Colombo navegara muito além daquele meridiano para descobrir as terras que pensava serem as Índias. Portugal e Espanha chegaram à beira da guerra, mas a segunda carecia de poderio naval suficiente para enfrentar os lusitanos em disputa por territórios d’além-mar. Assim, em 7 de junho de 1494, representantes dos dois governos assinaram o Tratado de Tordesilhas (nome da cidade onde ele foi firmado).

Pelo acordo, deslocou-se o meridiano divisório para 370 léguas a oeste de Cabo Verde. Dentro dos novos termos, D. João II esperava ter sob seu domínio ao menos o atual Sudeste Asiático, pois na época pensava-se que o Oceano Atlântico se estendia da Europa ao Extremo Oriente. O que as duas Coroas estavam dividindo, porém, era na verdade o continente americano, do qual uma parcela de 2.800.000 km2 seria portuguesa antes mesmo do Descobrimento do Brasil.

Mais tarde, em 1529, as duas potências ibéricas assinaram o Tratado de Saragoça, desta vez realmente dividindo as terras situadas no Oriente. Com essa atitude, desprezavam as pretensões coloniais de outros soberanos europeus, o que levou Francisco I, rei da França, a fazer um comentário irônico: “Gostaria de ver o testamento de nosso pai Adão, que dividiu o mundo entre meus primos de Portugal e Espanha.”

 

Fatos do Descobrimento do Brasil: A chegada às Índias

Mesmo que Colombo tivesse chegado ao Oriente pelo oeste (Ciclo Ocidental das Navegações), faltava consumar a ligação marítima entre a Europa e as Índias via litoral africano (Ciclo Oriental das Navegações). Essa missão foi confiada ao jovem fidalgo Vasco da Gama, de apenas 30 anos.
Em 8 de julho de 1497, a pequena frota (duas naus, uma caravela e um navio de mantimentos), com 170 tripulantes, deixou Lisboa e, depois de inúmeras peripécias, alcançou com três barcos o porto de Calicute, na costa ocidental da Índia, em 20 de maio de 1498.

Como Colombo na verdade não chegara às cobiçadas Índias, cabe ao navegador luso a glória de tê-lo feito primeiro. Com isso, abriu-se para Portugal uma breve, mas fulgurante fase de conquistas e de comércio com o Oriente, criando um império marítimo de que Macau é, hoje, o melancólico e derradeiro resquício.
Quanto à Itália, quebrada pela concorrência portuguesa na venda de produtos orientais, entraria em uma prolongada decadência econômica, finalmente interrompida pelo processo de industrialização vivido por sua porção setentrional, a partir do século XIX.

Continuar lendo Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil – parte QUATRO

Voltar a ler Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil – parte DOIS
Voltar a ler Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil – parte UM

Revisão de História: Fatos do Descobrimento do Brasil

Vestibular1

O melhor site para o Enem e de Vestibular é o Vestibular1. Revisão de matérias de qualidade e dicas de estudos especiais para você aproveitar o melhor da vida estudantil. Todo apoio que você precisa em um só lugar!

Deixe uma resposta