Menu fechado
Colônias Francesas na África História Geral Vestibular1

Revisão de História: História Geral Colônias Francesas na África

 

História: História Geral Colônias Francesas na África

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: História Geral Colônias Francesas na África

Revisão de História: História Geral Colônias Francesas na África

 

História Geral Colônias Francesas na África

A França preocupara-se na África com a assimilação da população nativa, formando uma elite afrancesada, ao mesmo tempo mantendo uma enorme massa não integrada.

Concessões francesas tentam em vão manter suas colônias:
• a ajuda das colônias à França na Segunda Guerra Mundial predispõe o general De Gaulle.
• Conferência de Brazzaville (1944) – os governadores das colônias francesas optam por maior autonomia e representação no Parlamento Francês, mas sem independência.
• a Constituição Francesa de 1946 trouxe novas disposições sobre as colônias: direito de representatividade e assembleias locais eleitas por colégio duplo (mistas).

Há rebeldia das colônias francesas mediterrâneas:
• Argélia – não concorda com o tratamento de colônia no Pós-Guerra – inicia a luta armada (1954/1962), mantendo-se por 9 anos (represália francesa violenta, fazendo muitas vítimas).
• Marrocos – rebelou-se em 1955, conseguindo a independência em 1956.
• Tunísia – em 1934, já tentara um movimento de independência liderado por Habib Bourghiba, mas interrompido pela guerra – reata movimento guerrilheiro após a Segunda Guerra Mundial, até sua autonomia em 1953.

A França reacende a contemporização com a Lei de Deferre (1956) – criada para conter o exemplo das colônias mediterrâneas, levando à instituição da fragmentação da África francesa negra.
• Sufrágio universal.
• Maior autonomia às assembleias locais.
• Criação de um conselho governamental em cada localidade.

Em 1958, a França coloca duas opções:
• associar-se à França numa Federação.
• caminhar em direção à independência por conta própria (aceita apenas pela Guiné).

Guiné – preferiu optar pela independência, sob a liderança de Sekou Touré, que buscou auxílio no Ocidente e no Oriente – seu exemplo bem-sucedido foi seguido depois por outras colônias (recebeu ajuda da URSS e da China Popular).

A liquidação do Império Colonial Francês (1960), independências do Sudão Francês, Camarões, Madagascar, Togo, Daomé, Niger, Alto Volta, Costa do Marfim, Chade, Congo e Gabão, Mauritânia e Senegal (de Leopold Senghor, que optou pelo socialismo).

Revisão de História: História Geral Colônias Francesas na África

Publicado em:História,Matérias,Revisão Online

Você pode gostar também