História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório - Vestibular1

História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório

Revisão de Química: História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório

Química: História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório

Resumão – Revisão da Matéria de Química – Revisando seus conhecimentos
Química: História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório

História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório
Nomenclatura química

A utilização de nomes para tudo o que a química representa foi e continua sendo uma de suas maiores preocupações.
Cada princípio e conceito fundamental, assim como os elementos, os compostos e uma quantidade de outros fatores, precisa ser assinalado com uma palavra ou combinação de palavras. Para completar esse requisito, tem-se procurado chegar a uma linguagem química coerente.

A palavra átomo é uma das mais antigas desse vocabulário e quando se relaciona a uma reação química comum significa o mesmo que quando foi utilizada pela primeira vez por Demócrito, por volta do ano 400 a.C..
É a unidade mínima de matéria (sem considerar a fissão nuclear) nas reações químicas, da qual se formam as moléculas ou compostos.

Cada átomo tem um símbolo constituído de uma ou duas letras associadas ao nome do elemento.
Tem-se, assim, “Fe” como símbolo do elemento ferro, “Ca” para o elemento cálcio etc. Substância é a palavra que se aplica à matéria de composição uniforme e constante, com uma série de propriedades químicas.
Consequentemente, só se podem chamar de substâncias os elementos e compostos.

Até quase o fim do século XVIII, nenhuma tentativa sistemática havia sido feita para designar as substâncias químicas, de modo a indicar sua composição.
Os nomes então em uso eram mais ou menos arbitrários: podiam ser termos da velha alquimia, ou derivar-se do nome de seu descobridor (por exemplo, o sal de Glauber, muito usado pelo alemão Johann Rudolf Glauber), ou ainda baseavam-se em alguma semelhança superficial.

Assim, o tricloreto de antimônio, por seu aspecto amanteigado, se denominava manteiga de antimônio; o cloreto de zinco, manteiga de zinco. Essas substâncias eram classificadas junto com a manteiga de leite.
O mesmo sucedia com o óleo de vitríolo (ácido sulfúrico), óleo de oliva etc. Torbern Olof Bergman e Louis Bernard Guyton de Morveau, de forma simultânea e independente, tentaram projetar um sistema mais completo para denominar os compostos químicos.

A sistematização da nomenclatura apresentada por Lavoisier e a notação química proposta por Jöns Jacob Berzelius, que criou símbolos para os elementos, são empregadas ainda hoje.

 

Equipamento de laboratório

Quase todos os utensílios empregados nas experiências químicas são feitos de vidro, principalmente devido à inércia química desse material.
Entre esses se destacam os copos ou bécheres, cilindros de fundo plano abertos em cima e providos de bico para verter, e os balões, que podem ter fundo chato ou redondo.

O volume dos líquidos pode ser medido por provetas, que são cilindros de vidro graduados; por buretas, recipientes de vidro tubular com muitas linhas finas graduadas, de modo que se pode medir com segurança a quantidade de líquido retirada por uma torneira na extremidade inferior; e pipetas, que diferem das buretas, pois são suficientemente pequenas para se poderem manejar.

A pressão exercida pelo dedo sobre a entrada do ar na parte superior do tubo regula a retirada do líquido da pipeta.
Os cadinhos são pequenos recipientes resistentes ao calor, muito usados para a determinação de cinzas e a fusão de metais.
Os tubos de ensaio são tubos de vidro fechados numa das extremidades, usados no trabalho com pequenas porções de reativos.

Os principais aparelhos de laboratório são o microscópio e a balança, equipamentos de medida indireta das massas. São usados também termômetros de mercúrio, para medir temperaturas; densímetros, para determinação de pesos específicos; bicos de gás (Bunsen) para aquecer; rolhas etc.

O avanço da química está intimamente relacionado à evolução da ciência dos computadores, pois se acredita que muitos dos trabalhos e reações realizados nos laboratórios passarão a ser feitos unicamente no computador, num processo conhecido como modelagem molecular.

Os computadores também são indispensáveis nas pesquisas de química quântica, por exemplo, e encontram cada vez maior aplicação no controle dos equipamentos eletrônicos de laboratório.

Continuar estudando História da Química:
Classificação da Química
História da Química Alquimia
História da Química Científica e Composição Química
História da Química Tabela Periódica
História da Química Princípios fundamentais

Revisão de Química: História Química Nomenclatura Equipamento de laboratório
Fonte: Alub pré-vestibular

Vestibular1

Vestibular1 sempre o Número 1 para Enem, Vestibulares, Concursos, Processos Seletivos. Seja qual for a prova ou exame que vá enfrentar, conte com nosso apoio na revisão dos estudos. Revise matérias e treine com nossos simulados, testes e problemas de matérias específicas. Aquelas provas e exames que vai enfrentar serão mais tranquilas, acesse e confira!

Deixe uma resposta