Menu fechado
O Egito Antigo Revisão de História Vestibular1

Revisão de História: O Egito Antigo

 

História: O Egito Antigo

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: O Egito Antigo

Revisão de História: O Egito Antigo

 

O Egito Antigo

O Egito é o berço da mais antiga civilização, a egípcia. O estudo dessa civilização tornou-se possível após 1822 quando da decifração dos hieróglifos.
Inicialmente a região achava-se dividida em cidades-estados, “nomos”, independentes politicamente. Em torno de 4000 a.C. esses “nomos” uniram-se em dois reinos: Reino do Baixo Egito (Norte) e Reino do Alto Egito (Sul).

A unificação desses reinos ocorreu por volta de 3 200 a.C., com Menés, que se tornou o primeiro faraó da primeira dinastia e deu início à história dinastia do Antigo Egito que vai até o século X1 a.C., quando termina a dinastia Ramsés e inicia a decadência.

Essa decadência se acentua com o aparecimento dos novos reinos no Oriente Médio, com o enfraquecimento do Governo dos faraós, com o empobrecimento do país causado pela desorganização interna e pelas sucessivas dominações estrangeiras. inicialmente, a dominação assíria, seguida da dominação persa, Macedônia, romana e árabe, sendo esta última responsável pela religião islâmica do Egito atual.

OS egípcios foram grandes construtores, erguendo casas e palácios com Tijolos e madeira. Recursos técnicos que talvez tenham trazido à Mesopotâmia. As pedras eram reservadas para a construção de túmulos. Eram hábeis na arte de esculpir em pedras, fabricavam joias de ouro, pedras semipreciosas e esmalte, e descobriram o papiro, que servia para a escrita.

Desenvolveram conhecimentos e medicina e iniciaram investigações matemáticas, mais tarde desenvolvidas pelos gregos. Porem, onde os egípcios mais se destacaram foi na construção de túmulos, as pirâmides em geral em honra dos faraós.

Contando com materiais rudimentares, porém com fartura de mão de obra, construíram verdadeiros monumentos de arquitetura, como as pirâmides de Quéfren, Quéops e Miquerinos que ficam na cidade de Gizé. A arte egípcia em sua maior parte homenageava os mortos, sepultadas com os objetos julgados necessários para a vida no além.

Muitos faraós eram enterrados em túmulos escavados em rochas, outros tinham o corpo conservado pelo embasamento. os egípcios eram politeístas. Osíris, deus dos mortos, segundo eles, desposara sua irmã, Íris, sendo morto por Seth; seu filho Horus, porém, ressuscitou-o. Horus, deus do firmamento e da chuva, reinava sobre os viventes, representado por um falcão.

Havia o costume de representar o deus sob a forma antropozoomorfa (corpo de animal e cabeça humana), Ra era o deus sol de Heliópolis; quando Tebas se tornou a capital (11ª dinastia), Amon, o deus da cidade ficou sendo Amon-Ra, o rei dos deuses.

Em 1340 a.C., o faraó Akhenaton, instituiu o culto a um só deus – Aton – o sol, e mandou construir a nova Capital em Telex Ananá. Tutankhamon, seu sucessor, restabeleceu os antigos deuses, e seu túmulo foi o que abrigou a maior quantidade de tesouros no Egito. O último faraó egípcio, Nectanebo morreu em 341 a.C.

Revisão de História: O Egito Antigo

Publicado em:História,Matérias,Revisão Online

Você pode gostar também