Processo de desenvolvimento do Capitalismo - Vestibular1

Processo de desenvolvimento do Capitalismo

Revisão de História: Processo de desenvolvimento do Capitalismo

 

História: Processo de desenvolvimento do Capitalismo

Resumão – Revisão da Matéria de História – Revisando seus conhecimentos
História: Processo de desenvolvimento do Capitalismo

Revisão de História: Processo de desenvolvimento do Capitalismo

 

Processo de desenvolvimento do Capitalismo

O capitalismo, como sistema econômico e social, passou a ser dominante no mundo ocidental a partir do século XVI.
A transição do feudalismo para o capitalismo, porém, ocorreu de forma bastante desigual no tempo e no espaço: foi mais rápida na porção ocidental da Europa e muito mais lenta na porção central e na oriental. O Reino Unido foi por várias razões o país no qual a transição foi mais acelerada.

O capitalismo evoluiu gradativamente e foi se transformando à medida que novas dificuldades surgiam. O sistema capitalista sempre apresentou ao longo de sua história, grande dinamismo. Isso se explica devido ao seu profundo enraizamento histórico e cultural, pois sua origem é muito antiga (final da Idade Média) e sua evolução histórica foi muito lenta, particularmente na Europa Ocidental e na América Anglo-saxônica. Gradativamente, ele foi se sobrepondo a outras formas de produção.
Didaticamente, considerando seu processo de desenvolvimento costuma-se dividir o capitalismo em três fases.

Características do Capitalismo

Apesar das profundas diferenças existentes entre os países capitalistas, algumas características básicas são comuns a todos eles, pois fazem parte do molde do sistema capitalista:
• Estrutura de propriedade – predomina a propriedade privada, pois a maioria dos meios necessários para a produção, tais como fábricas, terras, máquinas, usinas, portos, ferrovias, minas, c pertence a agentes econômicos privados. No entanto, em muitos países, o Estado também é dono de muitos meios de produção. Atua como capitalista através de empresas estatais, principalmente em setores básicos e de infraestrutura.

Objetivo – os agentes econômicos, privados ou estatais, buscam incessantemente a reprodução do capital, ou seja, a constante obtenção de lucros. A diferença fundamental é que uma empresa privada que opera no vermelho pode ir à falência, ao passo que uma estatal normalmente recebe subsídios governamentais (ou seja, recursos dos contribuintes) para manter-se.

Mecanismo de funcionamento da economia – os agentes econômicos (indivíduos ou empresas, instituições públicas ou privadas) fazem seus investimentos guiando-se pela lógica do mercado, ou seja, com base na lei da oferta e da procura. Investem sempre com o objetivo de obter a maior rentabilidade possível, daí a concorrência se estabelecer em todos os setores.
No entanto, há também muitas outras áreas monopolizadas, oligopolizadas, caracterizadas, nas quais, na prática, não há concorrência. O Estado, muitas vezes, intervém numa economia oligopolizada como agente planejador ou simplesmente como agente econômico. Esse processo, generalizado entre os países capitalista, varia apenas quanto ao grau da intervenção.

Relação de trabalho – predomina o trabalho assalariado. No entanto, ao lado dessa relação tipicamente capitalista convivem relações não capitalistas de trabalho, principalmente em regiões subdesenvolvidas e rurais: parcerias, arrendamentos e, em regiões mais remotas, até relações ilegais, como a escravidão e o trabalho forçado por dívida.

Meios de troca e instrumentos de crédito – o dinheiro (moeda metálica ou papel-moeda) é o principal meio de troca; surgiu no século VII a.C., como resultado da descoberta de técnicas de fundo em dinheiro depositado num banco. Com os avanços na eletrônica e nas telecomunicações, surgiu o cartão bancário, um “dinheiro virtual” que permite fazer pagamentos sem a intermediação de cheques ou dinheiro real.
Mais recentemente, tornou-se possível movimentar fundo através de redes de computadores. Há ainda instrumentos de crédito que facilitam as trocas, como os cartões de crédito e as duplicatas.

Relação social – há uma divisão de classes no interior da sociedade capitalista, com uma concentração de renda nos setores ou classes detentores do capital. Portanto, o capitalismo é marcado por desigualdades sociais, mais acentuadas nos países subdesenvolvidos. Ultimamente, porém, a distância entre ricos e pobres tem aumentado também nos países desenvolvidos.

 

Capitalismo comercial

Essa etapa do capitalismo estendeu-se desde fins do século XV até o século XVIII. foi marcada pela expansão marítima das potências da Europa Ocidental na época (Portugal e Espanha), em busca de uma nova rota para as Índias, objetivando romper a hegemonia italiana no comércio com o Oriente via Mediterrâneo.

Foi o período das Grandes Navegações e descobrimentos, das conquistas territoriais, e também da escravização e genocídio de milhões de nativos da América e da África.

 

Capitalismo industrial

O capitalismo industrial foi marcado por grandes transformações econômicas, sociais, políticas e culturais. As maiores mudanças resultaram do que se convencionou chamar Revolução Industrial (estamos nos referindo aqui à Primeira Revolução Industrial, ocorrida no Reino Unido na segunda metade do século XVIII).

Um de seus aspectos mais importantes foi a enorme potencializarão da capacidade de transformação da natureza, por meio da utilização cada vez mais disseminada de máquinas movidas a vapor produzida pela queima de carvão, tornando acessível aos consumidores uma quantidade cada vez maior de produtos, o que multiplicava os lucros dos produtores.

Capitalismo financeiro

Uma das consequências mais importantes do crescimento acelerado da economia capitalista foi o brutal processo de concentração e centralização de capitais. Várias empresas surgiram e cresceram rapidamente: indústrias, bancos, corretoras de valores, casas comerciais, c A acirrada concorrência favoreceu as grandes empresas, levando a fusões e incorporações que resultaram, a partir de fins do século XIX, na monopolização ou oligopolização de muitos setores da economia.

O capitalismo entrava desse modo, em sua fase financeira e monopolista. É consenso marcar como 0 início dessa nova etapa da evolução capitalista a virada do século XIX para o século XX, coincidindo com o período da expansão imperialista (1875-1914).

No entanto, a consolidação só ocorreu efetivamente após a Primeira Guerra Mundial, quando as empresas tornaram-se muito mais poderosas e influentes, acentuando a internacionalização dos capitais.

Leia na sequência:
A ordem internacional bipolar
Sistema socialista
Início da Guerra Fria
Colapso do Socialismo
A nova ordem mundial

Revisão de História: Processo de desenvolvimento do capitalismo

Vestibular1

O melhor site para o Enem e de Vestibular é o Vestibular1. Revisão de matérias de qualidade e dicas de estudos especiais para você aproveitar o melhor da vida estudantil. Todo apoio que você precisa em um só lugar!

Deixe uma resposta