Menu fechado
Regência Verbal Colocação Pronominal 2 Português por Vestibular1

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal 2

 

Português: Regência Verbal Colocação Pronominal 2

Resumão – Revisão da Matéria de Português – Revisando seus conhecimentos
Português: Regência Verbal Colocação Pronominal 2

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal 2

Regência Verbal Colocação Pronominal 2

 

Uso da palavra Que

A palavra Que pode aparecer como:
Palavra expletiva, substantivo, pronome, conjunção, advérbio de intensidade, preposição e interjeição.

• Palavra expletiva ou de realce: Quase que você caiu!
• Substantivo (com acento circunflexo): Esta moça tem um quê de diferente.
• Pronome:
» Indefinido (quando é igual a quanto(s) / quanta(s)): Que horas são?
» Interrogativo (quando é igual a que coisa):Que é aquilo?
» Relativo (quando é igual a o (a) qual / os (as) quais): Pegue as flores que comprei.

Observação: o pronome relativo introduz a oração subordinada adjetiva; ele exerce a mesma função sintática do antecedente:
a) Sujeito: Os meninos que chegaram são meus primos (= eles chegaram).
b) Objeto Direto: A paz, que todos queremos, está em nossos corações (= queremos a paz).
c) Objeto Indireto: Pega o objeto de que precisas (=precisas dele).
d) Complemento nominal: Este é o livro de que tenho necessidade (=tenho necessidade dele).
e) Predicativo: Todos sabem o amigo que ele é (= ele é amigo).
f) Agente da Passiva: O carro por que foram seguidos continuava lá (= foram seguidos pelo carro).
g) Adjunto Adverbial: O restaurante onde jantei é lindo (= jantei no restaurante).

• Conjunção:
» Coordenativa aditiva (= E): Ajuda-nos que nós te ajudaremos.
» Coordenativa adversativa (= mas): Faça indelicadeza a outro, que não a mim.
» Coordenativa explicativa (= pois): Esperem que ela não demora.
» Subordinativa integrante (introduzindo oração subordinada substantiva): Quero que venham a minha casa amanhã.
» Subordinada concessiva (= embora): Estudioso que fosse, não teve boas notas.
» Subordinada comparativa (parte das expressões MAIS… QUE, MENOS… QUE ou TÃO / TANTO… QUE): José é mais alto que você?
» Subordinada causal (= porque): Ele foi dormir, que estava cansado.
» Subordinada consecutiva (quase sempre relacionada com as palavras TAL, TÃO, TANTO ou TAMANHO): Cantaram tanto que ficaram roucos.

• Advérbio de intensidade (= quão): Que belo é este jardim!

• Preposição (geralmente está entre dois verbos e equivale a A, DE ou PARA): Ele tem que estudar.

• Interjeição (com acento circunflexo e acompanhada, em geral, de ponto exclamativo): Quê! Não posso acreditar nisso!

 

Uso da palavra Se

A palavra se pode aparecer como
I. Partícula Expletiva ou de Realce
Tem o objetivo de enfatizar: A cobra sumiu-se por entre as pedras.
II. Substantivo: Este se é um pronome.
III. Pronome Pessoal
1. Parte integrante do verbo – acompanha verbos essencialmente pronominais (alegrar-se, zangar-se, arrepender-se, queixar-se, suicidar-se, indignar-se, etc.): Todos queixavam-se do frio.
Observação – o pronome Se exerce a função de objeto direto, quando completa o sentido de um verbo transitivo direto ou a função de objeto indireto, quando completar o sentido de um verbo transitivo indireto:
Ele barbeou-se (objeto direto).
Ela deu-se um belo colar (objeto indireto).
2. Símbolo de indeterminação do sujeito (= alguém) – acompanha verbo intransitivo, transitivo indireto ou de ligação:
Viaja-se muito nesta época do ano.
Precisa-se de vendedor.
Fica-se atarefado em teu escritório.
3. Partícula apassivadora – com verbo transitivo direto; o sujeito é expresso e deve haver concordância:
Faz-se chave.
Fazem-se chaves.
4. Sujeito do infinitivo – com verbos causativos (mandar, deixar, fazer, permitir) ou sensitivos (ver, ouvir, sentir); nesse caso, o pronome inicia a oração subordinada substantiva objetiva direta, reduzida de infinitivo.
O funcionário viu-se assumir o cargo do chefe (sujeito do verbo assumir).

III. Conjunção
Coordenativa alternativa (= quer… quer): Se trabalha, se estuda está sempre feliz.
Subordinativa integrante (introduzindo oração subordinada substantiva): Você sabe se eles foram à praia?
Subordinativa adverbial condicional (= caso): Se ele chegar cedo, iremos ao cinema.
Subordinativa adverbial concessiva: Se não estuda, também não incomoda os colegas.

 

Uso de A/À/HÁ /

I. A palavra A pode ser:
Artigo definido (antecedendo substantivo ou adjetivo): A menina está estudando.
Pronome pessoal oblíquo átono (= ela): Encontrei-a na praia.
Pronome demonstrativo (= aquela): Todas as blusas são bonitas, mas prefiro a verde.
Preposição (seu emprego tem relação com o futuro): Daqui a dois anos eles voltarão da França.

II. A palavra À
É contração da preposição A com o artigo definido A (a + a = à): Foram à escola.

III. A palavra Há pode ser:
Verbo haver significando existir: Há livros sobre a mesa.
Verbo haver como auxiliar em tempo composto: Ele havia feito seu trabalho.
Verbo haver significando tempo decorrido (= fazer): Há quatro anos não a vejo.
Observação: São consideradas erradas as expressões em que ocorre pleonasmo do tipo:
Há muitos anos atrás.
Há tempos passados.

Voltar a ler Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal – parte UM

Estude na sequência: Regência Verbal

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal 2

Publicado em:Matérias,Português,Revisão Online

Você pode gostar também