Menu fechado
Regência Verbal Colocação Pronominal Português por Vestibular1

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal

 

Português: Regência Verbal Colocação Pronominal

Resumão – Revisão da Matéria de Português – Revisando seus conhecimentos
Português: Regência Verbal Colocação Pronominal

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal

 

Regência Verbal Colocação Pronominal

O pronome átono, em português, prende-se rigorosamente ao verbo e, nesse caso, poderá estar em posição:
Proclítica: pronome antes do verbo
Mesoclítica: pronome no meio do verbo
Enclítica: pronome depois do verbo

I. Enclítica
A colocação normal dos pronomes “me / te / se / o(s) / a(s) / lhe(s) / nos / vos” é depois do verbo, ou seja, em posição enclítica.
Os filhos deram-lhe um belo presente.
Algumas pessoas aproximaram-se dos atores.
Há, porém, certas palavras que atraem o pronome para antes do verbo – é a próclise – e certas estruturas determinam que o pronome fique no meio do verbo – é a mesóclise:
Queremos que nos digam a verdade.
Entregar-lhe-ei o presente amanhã.
Assim, caberá ao usuário perceber a presença desses fatores de atração e elaborar o discurso atendendo a normas gramaticais, sem desprezar o bom gosto.

II. Próclise
Ocorre quando antes do verbo encontramos:
1. Palavras ou expressões de sentido negativo
Não me viram!
Jamais lhe ofereceram flores?
2. Advérbios
Sempre me lembro dela.
Já nos conhecemos.
Observação: Caso haja pausa gráfica entre o advérbio e o verbo, emprega-se a ênclise.
Aqui, vive-se muito bem.
3. Pronomes Relativos
As chaves que te entreguei são do carro.
4. Pronomes Indefinidos
Alguém as viu?
5. Conjunções Subordinativas
Quando o encontrar, darei teu recado.
6. Frases iniciadas por Pronomes Interrogativos
Quem me chama?
7. Frases iniciadas por Palavras Exclamativas
Como vos enganastes!
8. Orações Optativas (as que exprimem desejo) encabeçadas pelo sujeito
Bons ventos o tragam!

III. Mesóclise
A mesóclise só será usada quando o verbo estiver:
1. No futuro do presente:
Dar-lhe-emos o presente.
2. No futuro do pretérito:
Emprestar-te-ia o carro, se pudesse.
Observação: Se houver na frase palavra ou expressão que determine a próclise, ela deverá ser empregada:
Não lhe daremos o presente.

O uso dessas palavras nem sempre é fácil, pois vários são os casos em que se confundem.

 

Uso da palavra Por que, porque

Por que é empregado:
Quando é advérbio interrogativo de causa (nas interrogações diretas ou indiretas): Por que eles saíram cedo?; Não sei por que eles saíram cedo.
Quando se trata de preposição por + pronome interrogativo (= por qual razão): Ninguém sabe por que ele se zangou.
Quando se trata de preposição por + pronome relativo que (antecedido de substantivo e igual a pelo (a) qual / pelos (as) quais): Vi as flores por que te apaixonaste.
Quando se trata de preposição por + conjunção integrante: Anseiam por que o filho seja aprovado.

Por que é empregado: quando é advérbio interrogativo de causa em final de frase: Vocês chegaram atrasados por quê?

Porque é empregado
Quando é conjunção coordenativa explicativa (= pois): Ele não estuda porque é preguiçoso.
Quando é conjunção subordinativa adverbial causal (= visto que): Elas foram embora porque era tarde.
Quando é conjunção subordinativa adverbial final (= a fim de que): Orai porque não entreis em tentação.

Porquê é empregado: quando é substantivo: Gostaria de saber o porquê disso.

Continue Lendo Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal – parte DOIS

Revisão de Português: Regência Verbal Colocação Pronominal

 

Publicado em:Matérias,Português,Revisão Online

Você pode gostar também