Menu fechado
História - Bandeiras II simulado de matérias específicas com gabarito enem vestibulares

História – Bandeiras II

Simulado de História – Bandeiras II com gabarito de matérias específicas

Com a intenção de ajudá-lo a se preparar melhor para as provas de Vestibular e Enem, desenvolvemos este Simulado de História – Bandeiras II que contém questões específicas sobre os assuntos mais exigidos em História.
Cada questão contém entre 2 e 5 alternativas. Para cada questão existe apenas uma alternativa correta e não existe nenhuma questão em branco.
O número de respostas certas do gabarito do Simulado de História – Bandeiras II estão no final.

Bons estudos!

 

01. (Fuvest-SP) Durante o período colonial, o Estado português deu suporte legal a guerras contra povos indígenas do Brasil, sob diversas alegações; derivou daí a guerra justa, que fundamentou:

a) o genocídio dos povos indígenas, que era, no fundo, a verdadeira intenção da Igreja, do Estado e dos colonizadores.
b) a criação dos aldeamentos pelos jesuítas em toda a colônia, protegendo os indígenas dos portugueses.
c) o extermínio dos povos indígenas do sertão, quando, no século XVII, a lavoura açucareira aí penetrou depois de ter ocupado todas as áreas litorâneas.
d) a escravização dos índios, pois, desde a Antiguidade, reconhecia-se o direito de matar o prisioneiro de guerra, ou escravizá-lo.
e) uma espécie de “limpeza étnica”, como se diz hoje em dia, para garantir o predomínio do homem branco na colônia.

 

02. (Mackenzie-SP) A historiografia tradicional atribui ao bandeirismo o alargamento do território brasileiro para além de Tordesilhas.

Sobre esta atividade é correto afirmar que:

a) jamais se converteu em elemento repressor atacando quilombos ou aldeias indígenas.
b) as Missões do Sul foram preservadas dos ataques paulistas, devido à presença dos jesuítas espanhóis.
c) na verdade, o bandeirismo era a forma de sobrevivência para mestiços vicentinos, rudes e pobres, e a expansão territorial ocorreu de forma inconsciente como subproduto de sua atividade.
d) eram empresas totalmente financiadas pelo governo colonial, tendo por objetivo alargar o território para além de Tordesilhas.
e) era exercida exclusivamente pelo espírito de aventura de brancos vinculados à elite proprietária vicentina, cujas lavouras de cana apresentavam grande prosperidade.

 

03. (UECE) Dentre as formas de reação coletiva dos negros africanos ao processo de escravização durante a colonização do Brasil, destaca-se a organização de quilombos.

Marque a opção correta a respeito dos quilombos.

a) Consistiam em paliçadas onde os ex-escravos, libertados pelos seus senhores, encontravam trabalho e apoio comunitário, já que a abolição não lhes garantiu emprego fixo.
b) Em toda a área colonial eles existiam, mas jamais chegaram a constituir uma comunidade estável que estabelecesse contatos comerciais com as vilas.
c) O quilombo de Palmares foi o único que realmente resistiu às primeiras investidas dos “capitães-do-mato”, apesar de não ter sobrevivido por mais de 5 anos.
d) Apesar de não ser o único, Palmares foi o mais importante dos quilombos, resistindo por décadas às investidas portuguesas durante o século XVII.

 

04. (Fuvest-SP) A expansão da colonização no Brasil se acentua na segunda metade do século XVII, caracterizando-se pela ocupação do território. Quais os fatores que contribuíram para a expansão da colonização para além do litoral?

 

05. (Fuvest-SP) Segundo as pesquisas mais recentes, pode-se afirmar, em relação aos quilombos coloniais brasileiros, que os mesmos:

a) distinguiam-se pelo isolamento, pela marginalização, sem nenhum vínculo com os arredores que os cercavam.
b) eram de caráter predominantemente agrícola, sobrevivendo do que plantavam e do que teciam.
c) eram habitados exclusivamente por escravos fugidos, constituindo-se em verdadeiros Estados teocráticos.
d) dedicavam-se, alguns, à agricultura, outros, à mineração, outros, ainda, ao pastoreio, articulando-se com os núcleos vizinhos através do comércio.
e) existiram apenas durante o século XVII, tendo Palmares como eixo central.

 

06. (UFCE) Os bandeirante paulistas foram responsáveis pela interiorização e expansão do projeto colonial português. Suas expedições visavam ao aprisionamento de índios, com a finalidade de transformá-los em mão-de-obra escrava, e a metais preciosos, para seu enriquecimento pessoal ou da Coroa portuguesa.

a) Diga como eram chamadas as expedições conduzidas pelos bandeirantes.
b) Apresente pontos de divergência, presentes na Historiografia Brasileira, a respeito da ação dos Bandeirantes.

 

07. (Unicamp-SP) O escravo no Brasil é geralmente representado como dócil, dominado pela força e submisso ao senhor. Porém, muitos historiadores mostram a importância da resistência dos escravos aos senhores e o medo que os senhores sentiam diante dos quilombos, insurreições, revoltas, atentados e fugas de escravos.

a) Descreva o que eram os quilombos.
b) Por que a metrópole portuguesa e os senhores combateram os quilombos, as revoltas, os atentados e as fugas de escravos no período colonial brasileiro?

 

08. (Vunesp-SP)A história das Monções em Cuiabá é, de certa forma, um prolongamento da história das bandeiras paulistas, em sua expansão para o Brasil Central. Desde 1622, numerosos grupos armados, procedentes de São Paulo, Parnaíba, Sorocaba e Itu, trilharam constantemente terras hoje mato-grossenses, preando índios ou assolando povoações de castelhanos“.
(Sérgio Buarque de Holanda. “Monções”).

Baseando-se no texto, responda.

a) Quais os objetivos das bandeiras paulistas?
O que foram as monções e qual sua importância histórica?

 

09. (Mackenzie-SP)Como decorrência do caminho, constituiu-se a civilização paulista (…) Na faina sertaneja e predadora dos paulistas, desenvolveram-se hábitos próprios, tributários dos indígenas e incorporados mesmo por aqueles que haviam nascido na Europa, como o alentejano Antonio Raposo Tavares“.
(Laura de Mello e Souza)
O texto se reporta às características da vida paulista no período colonial e seu significado. Sobre estes fatos não podemos dizer que:

a) o isolamento e a reduzida importância econômica da região resultaram num forte senso de autonomia entre a gente paulista.
b) casas de taipa, móveis rústicos, tendo como idioma dominante o tupi-guarani até o século XVIII, esta era a vila de São Paulo.
c) mestiços rudes, os mamelucos paulistas vagavam pelos sertões, apresando índios, buscando ouro ou atacando quilombos.
d) o alargamento da fronteira foi uma consequência inconsciente da luta destes homens pela sobrevivência.
e) o prestígio do bandeirante deve-se à integração dos vicentinos à economia exportadora açucareira.

 

10. (Fuvest-SP) Personagem atuante no Brasil colônia, foi “fruto social de uma região marginalizada, de escassos recursos materiais e de vida econômica restrita (…)”, “teve suas ações orientadas no sentido de tirar o máximo proveito das brechas que a economia colonial eventualmente oferecia para efetivação de lucros rápidos e passageiros em conjunturas favoráveis – como no caso da caça ao índio – ou no sentido de buscar alternativas econômicas fora dos quadros da agricultura voltada para o mercado externo (…)“.
Carlos Henrique Davidof, 1982

O personagem e a região a que o texto se refere são respectivamente:

a) o jesuíta e a província da Cisplatina.
b) o tropeiro e o Vale do Paraíba.
c) o caipira e o interior paulista.
d) o bandeirante e a capitania de São Paulo.
e) o caiçara e o litoral baiano.

 

11. (Mackenzie-SP) Dentre os tipos de Bandeiras, podemos citar as de apresamento ou preação de indígenas. A respeito desse bandeirismo, é válido afirmar que:

a) jesuítas e bandeirantes ajudaram-se mutuamente na busca de indígenas.
b) os indígenas aprisionados foram utilizados como mão-de-obra apenas nas lavouras paulistas.
c) o desenvolvimento desse tipo de bandeira está relacionado aos conflitos entre Holanda e Espanha.
d) os bandeirantes aprisionavam apenas os indígenas que encontravam na mata e respeitavam os aldeados nas missões.
e) teve início quando se comprovou a melhor adaptação dos índios ao trabalho escravo.

 

12. (Vunesp-SP) As interpretações a respeito da ação dos jesuítas no período colonial têm sofrido consideráveis alterações ao longo do tempo.

a) Indique as duas versões básicas a respeito do assunto.
b) Cite dois problemas enfrentados pelas nações indígenas contemporâneas.

 

GABARITO do Simulado de História – Bandeiras II

 

01  02  03  05  09  10  11 
C

 

Resposta 04:

– Bandeiras, entradas e pecuária.

 

Resposta 06:

a) Bandeiras.

b) Enquanto para uns os bandeirante não passavam de um bando de aventureiros gananciosos e sem escrúpulos – caça ao índio, busca de metais preciosos e sertanismo de contrato -, para outros, eles eram heróis que conquistaram uma vasta extensão territorial para Portugal.

 

Resposta 07:

a) Comunidades de escravos fugidos dos engenhos ou das lavouras de cana, tendo autonomia política, administrativa e econômica.

b) Porque temiam a desarticulação da economia açucareira e o controle político sobre a colonia.

 

Resposta 08:

a) Apresamento de índios para vendê-los como escravos e procura de metais preciosos.

b) Expedições fluviais, usando os rios Tietê, Paraná e Paraguai, levando mercadorias para serem comercializadas ao longo desses rios, até Cuiabá.

 

Resposta 12:
a) Os jesuítas, movidos pelo espírito da Contra-Reforma, desenvolviam a catequese indígena como forma de suprir as perdas que a Igreja Católica sofria na Europa. A catequese levou o índio a afastar-se de sua cultura e a assimilar a cultura européia em benefício da colonização.

b) Demarcações de terras e marginalização cultural

Publicado em:História

Você pode gostar também